Economia

Melhor controlo de divisas

O Banco Nacional de Angola, enquanto interventor directo na execução da política monetária e cambial, está a criar um quadro que permita o melhor controlo das receitas em moeda estrangeira, no qual as exportações de mercadorias constituem um sector importante.

BNA quer tornar as exportações em fonte de receitas alternativa ao petróleo e ao diamante
Fotografia: Rogério Tuti|Edições Novembro

A garantia foi dada, na quarta-feira, em Cabinda, pelo vice-governador  do Banco Nacional de Angola, quando orientava um seminário sobre “O processo de Exportação de Mercadorias, proposta de aviso que institui o termo de compromisso de intermediação Bancária para recebimento da moeda Estrangeira resultante da Exportação de mercadorias.
Manuel Tiago Dias reconheceu existir uma grande necessidade de  promover  as exportações e torná-las uma fonte de receita alternativa aos sectores petrolíferos e diamantíferos. “O Banco Nacional de Angola está a realizar um ciclo de seminários destinado aos exportadores de todo país, visando disseminar as suas perspectivas de controlo das receitas e obter assim subsídios que possam contribuir para o enriquecimento da regulamentação que se pretende”, realçou.
O vice-governador provincial de Cabinda para o Sector Económico, Romão Macário Lembe, disse que o módulo apresentado serviu para transmitir conhecimentos que vão ajudar a alavancar a economia. O seminário contou com a participação de representantes da banca comercial sediada na província, exportadores e  empresários.   O Banco Nacional de Angola (BNA) realizou ontem, em Menongue, capital da província do Cuando Cubango, o seminário sobre o "Combate ao Branqueamento de Capitais e Financiamento ao Terrorrismo. O vice-governador provincial para o sector Económico e Produtivo do Cuando Cubango, Ernesto Kiteculo, disse que o encontro se enquadra nas celebrações alusivas ao quadragésimo aniversário da moeda nacional, o Kwanza.
Participaram no evento membros do governo local, responsáveis de instituições financeiras bancárias e não bancárias, empresários, estudantes universitários, efectivos da Polícia Nacional, entidades religiosas, entre outros convidados.
O encontro, que decorreu no anfiteatro do governo local, foi orientado por quadros do Banco Nacional de Angola. Para saudar a data, está previsto para hoje uma feira de bancarização a ser realizada no mercado informal de Menongue.
Uma delegação do Banco Nacional de Angola chefiada pelo seu governador encontra-se em Paris, desde quarta-feira. Durante seis dias, a comitiva aborda com representantes institucionais franceses o estatuto de supervisão equivalente da banca angolana.  
O BNA anunciou a deslocação, em comunicado, e referiu que, ao fazer parte da lista de supervisão equivalente, a banca angolana vai deixar de depender exclusivamente do banco central para ter acesso a cambiais, como acontece actualmente.

Tempo

Multimédia