Economia

Banco faz desembolsos para o Angola Investe

Arão Martins | Lubango

O presidente da Comissão Executiva do Banco Millennium Atlântico (BMA), Daniel Carvalho dos Santos, anunciou na sexta-feira, no Lubango, desembolsos de 11 por cento do crédito solicitado ao abrigo do Angola Investe, um programa de financiamento de iniciativa institucional.

Representantes do Governo Provincial da Huíla (direita) com administradores do BMA 
Fotografia: Arimateia Baptista/Edições Novembro/Lubango

Daniel Carvalho dos Santos prestou a informação no final de um encontro com o Governo Provincial da Huíla, onde deu a conhecer as actividades desenvolvidas pelo banco na província e declarou que outros créditos, fora  do âmbito do Angola Investe, também foram desembolsados.
Indagado acerca da relevância dos desembolsos de apenas 11 por cento do financiamento solicitado, o presidente da Comissão Executiva do BMA lembrou que se estava a referir à província da Huíla, que tem cerca de dez por cento da população de Angola e de seis por cento do território nacional.
“Em termos relativos, 11 por cento é acima daquilo que seria a quota natural da província para o crédito. Tem um impacto muito expressivo. Estamos comprometidos com o processo de diversificação económica do país, uma prioridade do Executivo”, afirmou.
Em todo o caso, prosseguiu, a administração do BMA visitou a Huíla, na quinta e sexta-feira, para averiguar as necessidades adicionais dos clientes e encontrar uma forma de actuação para servir melhor, no interesse dos projectos das autoridades locais.
Daniel dos Santos declarou que o banco “tem um enorme compromisso” com a economia nacional e acredita que os empresários e autoridades da Huíla possam desenvolver projectos com o concurso do programa Angola Investe e de outros mecanismos.
“Temos a convicção de que, com um conjunto de projectos bem estru
turados, o banco pode dar o seu contributo”, disse. O banqueiro disse estar convencido que “o futuro vai-nos permitir fazer desembolsos relevantes e dar um contributo valioso à região e aos empresários”.O presidente da Comissão Executiva do Banco Millennium Atlântico (BMA), Daniel Carvalho dos Santos, anunciou na sexta-feira, no Lubango, desembolsos de 11 por cento do crédito solicitado ao abrigo do Angola Investe, um programa de financiamento de iniciativa institucional.
Daniel Carvalho dos Santos prestou a informação no final de um encontro com o Governo Provincial da Huíla, onde deu a conhecer as actividades desenvolvidas pelo banco na província e declarou que outros créditos, fora  do âmbito do Angola Investe, também foram desembolsados.
Indagado acerca da relevância dos desembolsos de apenas 11 por cento do financiamento solicitado, o presidente da Comissão Executiva do BMA lembrou que se estava a referir à província da Huíla, que tem cerca de dez por cento da população de Angola e de seis por cento do território nacional.
“Em termos relativos, 11 por cento é acima daquilo que seria a quota natural da província para o crédito. Tem um impacto muito expressivo. Estamos comprometidos com o processo de diversificação económica do país, uma prioridade do Executivo”, afirmou.
Em todo o caso, prosseguiu, a administração do BMA visitou a Huíla, na quinta e sexta-feira, para averiguar as necessidades adicionais dos clientes e encontrar uma forma de actuação para servir melhor, no interesse dos projectos das autoridades locais.
Daniel dos Santos declarou que o banco “tem um enorme compromisso” com a economia nacional e acredita que os empresários e autoridades da Huíla possam desenvolver projectos com o concurso do programa Angola Investe e de outros mecanismos.
“Temos a convicção de que, com um conjunto de projectos bem estru
turados, o banco pode dar o seu contributo”, disse. O banqueiro disse estar convencido que “o futuro vai-nos permitir fazer desembolsos relevantes e dar um contributo valioso à região e aos empresários”.
No contacto com as autoridades locais, adiantou, foi constatada a existência de um conjunto de projectos bem estruturados de empresas de dimensão nacional sedeadas na Huíla. “Estamos convictos de que vamos poder, juntodestes parceiros e clientes, dar o contributo para a economia”, disse.
O BMA decidiu inserir um valor no seu plano global para financiar tais projectos, anunciou o presidente da Comissão Executiva, prevendo “um trabalho muito próximo junto das autoridades na componente da infra-estrutura básica e da energia”, para implantar “uma indústria com eficiência e capaz de competir com outras, de outras regiões”.
“Há uma componente turística muito importante e uma indústria diversificada que passa pelas rochas ornamentais e não só, para fazer face aos desafios do futuro”, ao que se junta o conhecimento aferido pelo conjunto de universidades com grande adesão popular e a componente agrícola e agro-pecuária que pode ser desenvolvida na região, apontou o responsável.

Tempo

Multimédia