Economia

BCI vai precisar de 27 mil milhões de kwanzas

Os accionistas privados que o Banco de Comércio e Indústria (BCI) prevê captar, após conclusão do processo de privatização em curso, a concluir até final deste ano, deverão trazer os 27 mil milhões de kwanzas (46,1 milhões de dólares) para completar os 57 mil milhões previstos na estratégia de recapitalização do banco.

Banco de Comércio e Indústria prevê uma recapitalização de 57 mil milhões de kwanzas
Fotografia: DR

A contraparte de 30 mil milhões de kwanzas (51,2 mi-lhões de dólares) são garantidos pelo accionista Estado, até 30 deste mês.
Para o auditor KPMG, encarregue de analisar as contas de 2019, a incerteza com a concretização deste plano foi uma das bases para a emissão de sua opinião com reserva.

Em termos de crédito a clientes, o BCI registou, no seu balanço de 2019, um valor de 45,6 mil milhões de kwanzas (cerca de 78 milhões de dólares). Apesar disso, o auditor explica na sua opinião que não aferiu a conformidade dos registos de garantias e as operações de créditos concedidos a clientes, sendo-lhe impossível garantir os direitos do banco sobre os referidos montantes bem como a sua existência e adequação.

O capital próprio do banco calculado no balanço, até 31 de Dezembro, foi de 40,9 mil milhões de kwanzas negativos e um resultado líquido também negativo de 26,1 mil milhões.

Sobre os fundos próprios do banco, o Conselho Fiscal notou com relevância a existência de um decréscimo de 313 por cento comparativamente a 2018, fixando-se nos 40,9 mil milhões de kwanzas negativos, ao que se juntou o rácio de solvabilidade regulamentar (que mede a relação entre os capitais próprios de uma empresa e os capitais alheios) de negativos 29,90 por cento.

Tempo

Multimédia