Economia

Chevron garante aposta no mercado angolano

A multinacional petrolífera Chevron garante que o compromisso em Angola “é sério”, prevendo investir este ano, no país, cerca de oito milhões de dólares em programas sociais, ligados à saúde, educação e desenvolvimento económico.

A Chevron tem a sua base de produção em Malongo, na província de Cabinda
Fotografia: DR

A informação foi transmitida sexta-feira pelo director para o Investimento Social da Cabinda Gulf Oil Company (Cabgoc), unidade operacional da Chevron em Angola, Cláudio Lopes, no final de uma visita de jornalistas à sede da empresa, em Luanda.
Nos últimos dias, surgiram localmente notícias, entretanto desmentidas pelo Governo, sobre a possibilidade de a Chevron abandonar a produção de petróleo em Angola.
Segundo Cláudio Lopes, o compromisso da Chevron com Angola “é sério” e a multinacional pretende “continuar a colaborar com o Governo de Angola e com todos actores sociais e de investimento para garantir e ajudar a criar prosperidade para o país”.
“A nível do sector social tivemos no ano passado um investimento acima dos cinco milhões de dólares, repartido entre fundos próprios e em parcerias. Para 2018, estimamos investir entre sete e oito milhões de dólares, nos três pilares em que estamos focados”, disse.
Há 65 anos a operar em Angola, com presença no mercado energético e operações em águas profundas, produção convencional de petróleo, gás e gás liquefeito em Cabinda e Luanda, Cláudio Lopes referiu que a operação da Chevron no país “é estável”.
“E dentro dos padrões que são os nossos compromissos. A indústria petrolífera é bastante complexa e estamos a tentar criar mecanismos para tentar sobreviver em qualquer ambiente económico, estando o preço do barril de petróleo em alta ou baixa”, sustentou.
Durante a apresentação de um estudo do impacto económico da Chevron em Angola, o director para o Investimento Social da empresa fez saber também que os programas de investimento social beneficiaram já cerca de 200 mil famílias em Cabinda e Luanda, áreas de actuação da petrolífera.
Acrescentou que a Chevron gerou quase 79 mil empregos entre 2010 e 2016, adiantando também que a contribuição anual da petrolífera para o Produto Interno Bruto (PIB), através da exploração dos blocos 0 e 14, na província de Cabinda, é de 6.200 milhões de dólares.
“Para além desta contribuição directa, geramos para os cofres do Estado angolano uma média anual de quase 2,6 mil milhões de dólares e a nível dos fornecedores geramos cerca de 2.000 milhões de dólares, entre operações, serviços de apoio e demais serviços”, acrescentou.
A visita de jornalistas angolanos e estrangeiros à sede da Chevron em Luanda foi promovida pelo Centro de Imprensa Aníbal de Melo.

Contribuições fiscais

A Cabinda Gulf Oil Campany Limited (Cabgoc) contribui anualmente com cerca de 6.2 mil milhões de dólares para o Produto Interno Bruto (PIB), um valor que representa quase seis porcento do total do PIB do país, informou sexta-feira em Luanda, o director para os investimentos sociais da companhia, Claúdio Lopes.
Além desta contribuição directa, a empresa gera para os cofres do Estado uma média anual  de cerca de 2,6 mil milhões de dólares, enquanto a nível  dos fornecedores  locais  a petrolífera norte-americana gera um adicional de cerca de  dois mil milhões  de dólares  que  são  gastos em quase todos os serviços, operações e   serviços de apoio, incluindo comunicações.
Dentro do programa de actividades da empresa, a Cabgoc  prevê  entre  o primeiro e o segundo trimestre  deste ano  inaugurar o banco de urgência do  hospital provincial de Cabinda,  sistemas de água potável ( já concluídos), ao mesmo tempo que está  em curso o programa de desenvolvimento da medicina transfusional  em  Cabinda.
Um  estudo de  impacto económico realizado pela empresa  IHS MARTIT e a Universidade Católica de Angola entre 2010 e 2016 determinou  que  por cada emprego  directo ligado à produção de petróleo  e gás criado  pela companhia,  são  gerados  61 empregos  indirectos.


Tempo

Multimédia