Economia

China impulsiona a integração de serviços

O Governo de Macau vai dar um novo impulso à integração da plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a China e os países de língua portuguesa na iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota”, anunciou o secretário para a Economia e Finanças, Leong Vai Tac.

Leong Vai Tac revela que o Governo estuda a construção de uma base “offshore” para inovação
Fotografia: DR

O secretário, que falava ontem por ocasião de uma recepção do Secretariado Permanente do Fórum de Macau, disse que o Governo continua empenhado em assegurar toda a colaboração e apoio ao secretariado e em aprofundar a construção em Macau de uma plataforma, com vista à promoção do intercâmbio e da cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa.
Leong Vai Tac garantiu ainda que em 2017 o Governo vai coordenar os trabalhos relacionados com o estabelecimento em Macau da sede do Fundo de Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os países de língua portuguesa e acelerar a construção da plataforma de serviços para a cooperação comercial, dos “três centros”, da plataforma de serviços financeiros e do complexo da plataforma de serviços.
O secretário revelou ainda que o Governo vai estudar a construção de uma base “offshore” para a inovação e empreendedorismo entre a China e os países de língua portuguesa, promover a acreditação da medicina tradicional chinesa, estabelecer uma feira independente em Macau, denominada “Pavilhão dos Produtos e Serviços dos Países de Língua Portuguesa”, reforçar a cooperação sino-lusófona no “Fórum Internacional sobre o Investimento e Construção de Infra-estruturas”, acelerar a criação do regime do seguro de créditos para importação, exportação e transporte de mercadorias e estudar a concessão de subsídios às empresas para pagamento de uma parcela do prémio do respectivo seguro.
Leong Vai Tac anunciou também que o Governo de Macau vai apoiar a organização de uma visita ao Brasil para os representantes das províncias e regiões do Pan-Delta do Rio das Pérolas, para promover a cooperação entre a China e os países de língua portuguesa e organizar actividades de intercâmbio económico e comercial entre as empresas dos países de língua portuguesa, do interior da China e dos países situados no espaço de “Uma Faixa, Uma Rota”.
O secretário recordou que o Governo de Macau vai dar resposta a todas as decisões tomadas durante a V conferência do Fórum de Macau, realizada em Outubro do ano passado, onde o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, anunciou uma série de medidas de apoio ao papel de Macau como plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a China e os países de língua portuguesa.

Tempo

Multimédia