Economia

Construção de ponte entre as duas capitais

A edificação de uma ponte sobre o rio Congo para ligar Brazzaville e Kinshasa ressurgiu na quinta-feira num fórum realizado na capital da RDC para discutir o curso de projectos de infra-estruturas na África Central, a região mais desprovida do continente neste domínio.

Rio Congo, tendo ao fundo uma vista da cidade de Kinshasa
Fotografia: DR

“Os estudos estão concluídos. Estamos a tratar do financiamento para avançar para a fase de construção”, declarou à imprensa o alto funcionário do Governo do Congo-Brazzaville Blaise Onanga, num fórum na feira especializada Expo Cimento consagrado ao desenvolvimento do Corredor da África.
O processo de licitação foi lançado, afirmou o director de Manutenção de Estradas Blaise Onanga, sem avançar os custos ainda “confidenciais” do projecto sobre o qual trabalham técnicos da República Democrática do Congo e do Congo Brazzaville.
“Vamos financiá-lo por via da cooperação com a China”, revelou o porta-voz do Governo de Kinshasa, Lambert Mende, à AFP. “Estamos a tentar financiamentos entre os 60 mil milhões de dólares que a China disponibilizou para a África, como anunciou recentemente o Presidente chinês Xi Jinping.”
Kinshasa e Brazzaville, as duas capitais mais próximas do mundo - além de Roma e da Cidade do Vaticano - estão separadas por 2,5 e 4 km do rio Congo.
O projecto é, na verdade, uma ponte ferroviária e rodoviária entre  Brazzaville e Kinshasa, com a extensão da ferrovia até Ilebo (centro da RDC), disseram os oradores da Expo Cimento.
“O projecto é da era de Mobutu”, reclamou, céptico,  um orador, referindo-se ao  Presidente do antigo Zaire (1965-1997).
A ideia de uma ponte entre Kinshasa e Brazzaville é parte do projecto maior de Corredor Ocidental de estradas e portos ligando a RDC a Angola,  Congo-Brazzaville, Gabão e República Centro-Africana.

Tempo

Multimédia