Economia

Contas do exercício de 2019: Sonangol teve lucros de 45.854 mil milhões

A Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (SONANGOL E.P.) concluiu o fecho de contas do exercício de 2019, tendo apurado um resultado líquido de 125 milhões de dólares, equivalente a 45.854 mil milhões de kwanzas.

Receita do exercício findo manteve-se estável e os custos operacionais caíram 11 por cento
Fotografia: Eduardo Pedro | Edições Novembro

De acordo com um documento publicado ontem, o EBITDA (Resultados antes de Juros, Impostos, Depreciações e Amortizações) foi de 4.779 milhões de dólares, representando um forte crescimento de 10 por cento em relação ao exercício anterior, fruto da estabilização das receitas e da forte redução de custos, no âmbito da reestruturação em curso.

As receitas mantiveram-se estáveis e os custos operacionais caíram 11 por cento.

No exercício contabilizado a Sonangol produziu cerca de 232 mil barris de petróleo bruto por dia, tendo aumentado a produção de gás em 6,0 e de LNG em 8,0 por cento. A produção de produtos refinados cresceu 37por cento, após retoma das operações da Refinaria de Luanda.

Os dados da petrolífera advogam ter sido atingido um “marco histórico” no reporte da empresa, com a resolução de temas que permitiram a eliminação de reservas da auditoria, as quais perduravam há 15 anos.

Os gestores da Sonangol justificam a melhoria do reporte financeiro enquadrando-o na continuação da implementação dos processos de reestruturação e redimensionamento do Sector Empresarial Público e do Sector Petrolífero Angolano.

Produção bruta

Durante o exercício de 2019, a Sonangol produziu cerca de 232 mil barris de petróleo bruto/dia, o que se encontra praticamente em linha com o período homólogo. No mesmo período, foram produzidas cerca de 417 toneladas métricas de gás e de 1 milhão de toneladas métricas de LNG, representando um incremento de 6,0 e 8,0 por cento, respectivamente.

A produção de produtos refinados registou um aumento à volta de 37 por cento como resultado da retoma das operações da Refinaria de Luanda, após paragem para manutenção, tendo em 2019 sido produzidas 2,4 milhões de toneladas métricas. Para suprir o défice nacional, a petrolífera pública importou, aproximadamente, 2,9 milhões de toneladas métricas de produtos refinados, um incremento de 6,0 por cento face ao exercício de 2018.

Para o alcance dos resultados do exercício, a Sonangol realizou vendas de 10.231 milhões de dólares, o que representa uma redução de 4,0 por cento face ao de 2018. O exercício de 2019 foi o último ano em que a empresa pública registou vendas como concessionária nacional, bem como com os custos referentes às referidas vendas, transacções ocorridas de Janeiro a Abril de 2019.

Os custos operacionais registaram um decréscimo de cerca de 11 por cento, tendo sido registados à volta de 5.550 milhões de dólares.

Durante o exercício foram realizados investimentos de 1.478 milhões de dólares nas operações petrolíferas da empresa. O serviços da dívida representou 1.851 milhões, tendo a empresa encerrado o ano com um stock de dívida de cerca de 5.034 milhões, mais 13 por cento do que no período homólogo.

No âmbito deste processo, que exige um relato financeiro com qualidade e com o mínimo possível de reservas de Auditoria Independente, a Sonangol argumenta ter desenvolvido acções para o alcance da estratégia voltada ao saneamento das contas, tendo desenvolvido, em colaboração com entidades da Administração Pública do Estado, onde destaca o Ministério das Finanças e o Ministério dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, um processo de conciliação com entidades públicas.

Tempo

Multimédia