Economia

Crescimento do PIB em desaceleração

O Produto Interno Bruto (PIB) da África do Sul desacelerou para 2,2 por cento no primeiro trimestre, sob influência do abrandamento da actividade económica nos sectores da agricultura e indústria extractiva, depois da expansão de 3,1 por cento nos últimos três meses do ano passado.

Queda da produção mineira pesa na contracção do PIB
Fotografia: DR

A notícia, publicada ontem pela imprensa daquele país, cita uma sondagem da semana passada em que 24 economistas prevêem um crescimento de 1,7 por cento para o cômputo do ano, mais 0,1 ponto percentual que o projectado em Maio, e acima da estimativa de 1,3 por cento projectada no começo do ano.
Na sexta-feira, a agência de classificação de risco financeiro Fitch atribuiu à África do Sul um grau de não investimento, mas assinalou sinais de melhorias no domínio da governação e perspectivas de uma ligeira recuperação.
A imprensa cita analistas a afirmarem que a África do Sul precisa de níveis de crescimento várias vezes superiores à perspectivas, e que se afigurem significativos para a redução do desemprego que atinge 25 por cento da força de trabalho.
As perspectivas de emprego foram agravadas pelo fraco desempenho do sector mineiro da África do Sul, em Abril, quando a produção caiu 4,3 por cento em termos anualizados, num sector que emprega grande parte da mão-de-obra não qualificada. A escalada da tensão entre os Estados Unidos também eleva os receios, com os economistas cautelosos quanto aos efeitos dessa crise sobre as moedas dos mercados emergentes, entre os quais se inclui a África do Sul.
O economista do Absa Capital Miyelani Maluleke disse, que a procura interna ainda tem potencial para impulsionar um crescimento do PIB de 1,7 por cento, este ano. “Houve  factores pontuais que contribuíram para a contracção do PIB no primeiro trimestre, mas os efeitos de alguns deles tenderão a diminuir”, disse Maluleke.

Tempo

Multimédia