Economia

Crescimento mundial atinge 3,6 por cento

Armando Estrela

O volume mundial de comércio de mercadorias deve crescer 3,6 por cento em 2017, situando-se entre 3,2 e 3,9 por cento, acompanhado de um crescimento global do PIB (Produto Interno Bruto) de 2,8 por cento nas taxas de câmbio do mercado, de acordo com um relatório da Organização Mundial do Comércio, tornado público em finais de Setembro.

Os riscos para o comércio estão firmemente inclinados para a desvantagem geopolítica
Fotografia: Anthony Wallace | afp

A Organização Mundial do Comércio (OMC) reviu em alta as estimativas do comércio mundial, onde se espera que aumente 3,6 por cento este ano, acima da previsão de 2,4 por cento de Abril passado. Segundo a organização, o crescimento do comércio em 2017 vai representar uma “melhoria substancial” em relação ao aumento de 1,3 por cento registado em 2016. No relatório, a OMC altera também a previsão para o próximo ano, estimando agora que aumente 3,2 por cento, numa faixa de crescimento previsional entre 1,4 e 4,4 por cento.
O crescimento mais forte do que o esperado está a ser impulsionado pela Ásia e América do Norte, onde a busca de importação se recupera de resultados fracos em 2016. A proporção do crescimento do comércio para o crescimento do PIB deve aumentar para 1,3 em 2017.
As ordens de exportação reforçaram a sinalização do impulso comercial sustentado na segunda metade de 2017 e essa recuperação pode ser prejudicada por riscos de queda, incluindo medidas de política comercial, aperto monetário, tensões geopolíticas e desastres naturais caros.
Regiões compostas por África, Oriente Médio e a região da CEI, viram o crescimento das exportações estáveis em 0,1 por cento em termos de volume, principalmente devido ao facto da procura de petróleo e outros recursos naturais tender a ser muito estável. Por outro lado, as importações dessas regiões aumentaram, de forma colectiva, 2,5 por cento, graças a uma recuperação parcial dos preços das principais matérias-primas.
Os preços do petróleo subiram 21,8 por cento no primeiro semestre de 2017, aumentando as receitas de exportação das regiões produtoras de recursos. A OMC diz que os preços permanecem baixos pelos padrões históricos recentes, com o petróleo Brent em 53,25 dólares por barril, em 11 de Setembro, bem abaixo dos 100 dólares por barril que prevaleceu antes de Julho de 2014.
As exportações e as importações aumentaram no primeiro semestre de 2017 em relação ao mesmo período do ano passado em todas as regiões rastreadas pelas estatísticas do comércio de curto prazo da OMC, excepto para a América do Sul, onde o comércio era essencialmente constante.
As exportações e importações norte-americanas cresceram 4,9 e 3,9 por cento durante esse período. As exportações da América do Sul caíram 0,7 por cento, enquanto as importações aumentaram um por cento. Na Europa, as exportações cresceram 2,6 por cento, enquanto as importações aumentaram 1,2 por cento. As exportações da Ásia cresceram 7,3 por cento, enquanto as importações da região aumentaram 8,9 por cento, em grande parte graças a fortes aumentos na China.

Indicador de perspectivas

Estes dados estão em consonância com o Indicador de Perspectivas do Comércio Mundial da OMC (OMCI), que sinalizou o crescimento abaixo da tendência em Julho de 2016 para o crescimento acima da tendência em Novembro de 2016 e continuou a fortalecer-se desde então. A OMCI combina vários indicadores de liderança para o comércio num único indicador composto e os componentes incluem o débito do porto de contentores, embarques de frete aéreo, pedidos de exportação, vendas de automóveis e comércio de componentes electrónicos e matérias-primas.
Se essas estimativas forem realizadas, em 2017 as economias em desenvolvimento podem superar as economias desenvolvidas no crescimento do volume de negócios, tanto nos lados da exportação quanto de importação. Também este ano pode ser o primeiro, desde 2013, em que as importações de economias em desenvolvimento crescem mais rapidamente do que as dos países desenvolvidos. Para já, o fim da chamada desaceleração do mercado emergente continua a ser previsto. Uma robusta recuperação económica chinesa impulsiona a busca de importação e estimula o comércio entre a China e seus parceiros.

Tempo

Multimédia