Economia

De La Rue organiza exposição de moedas

O maior fabricante comercial de papel-moeda e passaportes do Mundo, a De La Rue, prepara uma Exposição da Moeda em Angola, em parceria com a Embaixada do Reino Unido.

Por causa de pragas e da acção de roedores e deficiente assistência agro-técnica, milhares de famílias angolanas têm obtido baixos rendimentos
Fotografia: Edições Novembro

Nessa exposição, a De La Rue pretende não só contar a história da antiga relação entre a empresa britânica e Angola, mas mostrar o trabalho desenvolvido no seu país de origem com todas as emissões da libra esterlina.
Há pouco mais de cinco anos, a De La Rue abriu escritório em Luanda, depois de muitos anos de cooperação com o país. Trata-se da única empresa em Angola que oferece serviços de produção de moeda, identidade e autenticação de produtos.
A exposição, que deve ter lugar no início do segundo semestre do ano, reflecte o desenvolvimento da moeda angolana e a longa história da De La Rue no país.
O papel moeda circula em Angola desde 1861 e a De La Rue tem estado envolvida na sua impressão há quase um século. A De La Rue imprimiu a primeira série de notas para a actual autoridade emissora, na altura o Banco de Angola, em 1927, um ano após a sua abertura, e desde então tem tido uma forte relação com a instituição durante os últimos 90 anos.
A De La Rue imprimiu ainda numerosas séries e diferentes denominações de notas, incluindo a primeira série da Angola independente, com muitos dos esboços feitos à mão a serem exibidos na próxima exposição, e tem capacidade de imprimir cheques e personalizar cartões de crédito, o que faz dela um das principais agentes do ramo em África.
A cooperação da empresa passou também pelos primeiros ATM, pelas cartas de condução, documentos de registo de veículos e selos postais. Além de ajudar o Governo a organizar as primeiras eleições em 1992, a De La Rue foi também o fornecedor de passaportes para o Ministério do Interior e Ministério das Relações Exteriores desde 1995, fornecendo agora soluções para passaportes electrónicos (ePassports). Outro serviço governamental importante que a De La Rue fornece, é o seu esquema de selos fiscais e “software” de rastreamento (DLR Certify). Os selos são aplicados em produtos como álcool e tabaco, que geram receitas para os governos, reduzem o comércio ilícito e protegem o consumidor de produtos potencialmente prejudiciais.
Como membro da iniciativa de ética no sector de no-tas de banco (Bank note Ethics Initiative - BnEI) e outros fóruns da indústria, rege-se pelos mais altos padrões. A segurança é de vital importância para a De La Rue e o seu escritório no Quénia é o único em África credencia-do nos mais altos níveis da indústria, com a certificação ISO 14298.
O director regional da De La Rue para África, Matt West, afirmou que o continente é  estratégico para a empresa, visto que a moeda contabiliza 90 por cento dos pagamentos, cerca de um quarto da sua receita. “Somos o principal fabricante de moeda e passaporte comercial do mundo e o fornecedor número um em África, estando a emissão de notas em polímero em forte crescimento na região”, revelou. O Botswana e São Tomé e Príncipe foram os dois países que este ano já solicitaram os serviços da empresa, emitindo notas, juntando-se a outros como Cabo Verde, Maldivas e Nigéria.
Com uma longa história de cooperação de quase um século, Angola continua a ser um mercado chave para a De La Rue. “Os nossos laços históricos serão celebrados na Exposição da Moeda e esperamos continuar a trabalhar com os nossos parceiros, para tornar o evento um grande sucesso”, sublinhou Matt West.

Tempo

Multimédia