Economia

Dívida à ENDE estimada em 532 milhões de kwanzas

Weza Pascoal | Menongue

A dívida de vários anos das empresas e clientes particulares à Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) no Cubango está avaliada em 532 milhões de kwanzas.

Fotografia: DR

Deste valor, as empresas públicas surgem com 300 milhões de kwanzas e os outros consumidores com os restantes 232 milhões, de acordo com o director do Centro de Distribuição na província.
Amândio Rodrigues disse ao Jornal de Angola que, pelo menos, 4.022 empresas dos cerca de 13 mil 409 clientes pagaram, em 2019, regularmente o consumo de energia eléctrica, o que permitiu arrecadar 413 milhões de kwanzas.
“A ENDE tem vindo a realizar campanhas de sensibilização no sentido de os clientes, com realce das empresas públicas honrarem com as obrigações contratuais, ou de negociarem a dívida, mas apesar do sentido de benevolência da empresa, continuamos a encontrar resistência”, referiu.
Para ele, a empresa, enquanto representante legal do Estado, não pretende partir para situações extremas e mais ainda neste momento difícil em que as pessoas são obrigadas a permanecer mais tempo em casa.
Todavia, Amândio Italica Rodrigues disse que o corte de energia tem sido o último recurso para os clientes que desde 2010, período que se inaugurou a primeira central térmica na região, até a presente data nunca pagaram o consumo da corrente eléctrica.
Os dados fornecidos dão conta que a Empresa de Produção de Electricidade (PRODEL) tem disponíveis pouco mais de 50 Megawatts e a ENDE está a utilizar apenas 10.5.
Existe uma margem de cerca de 40 Megawatts mais que suficientes para a iluminação pública e domiciliar da cidade de Menongue e arredores, incluindo a comuna de Missombo que está a 16 quilómetros.
Na opinião de Amândio Rodrigues, os recursos financeiros, equipamentos como os transformadores, lâmpadas, cabos diversos, postos para a fixação das linhas de transportes bem como e a ausência de redes de baixa tensão em alguns bairros periféricos constituem a principal dificuldade no alargamento das ligações domiciliares e de iluminação pública.
Neste momento, afirmou, a ENDE tem um stock muito reduzido de material para os bairros Vitória e 4 de Abril, arredores da cidade de Menongue.
A falta de um camião grua para movimentar os rolos de cabos e postos para a sustentação das linhas de baixa tensão está a dificultar a operação.
Conforme fez saber, Menongue e os bairros Futungo, Novo, Paz, Castilho, Aerovia, 1º de Maio, Chipeio, Saúde, Pandera, Juventude, Pio, Cunha e Caimaneiros já beneficiam de energia da rede pública, faltando os bairros Boa vida, Boa esperança, Comboio, Calupassa, Cazenga, Victória e o 4 de Abril.

Tempo

Multimédia