Economia

Empresas apostam na recuperação das trocas

Madalena José

O valor das trocas comerciais entre Angola e a Itália atingiu 1.341 milhões de dólares este ano, com remessas de Luanda situadas em mil milhões e as de Roma 341 milhões, revelou ontem o administrador da AIPEX Francisco Lelo.

Embaixador da Itália numa viagem de prospecção à Huíla
Fotografia: Arimateia Baptista| Edições Novembro

Numa dissertação sobre as oportunidades de investimento no país, durante um fórum de negócios entre representantes institucionais e empresariais dos dois países, o administrador da AIPEX in-dicou que Angola exportou petróleo e rochas ornamentais - mármore e granito -, enquanto a Itália vendeu maquinaria, bens alimentares, materiais plásticos de preparação de ferro e aço para a construção, além de automóveis e barcos.
Francisco Lelo apontou os sectores das pescas, turismo, agricultura, agro-indústria, educação, telecomunicações, construção e obras públicas como aquelas nas quais Angola espera por investimentos italianos.
A estabilidade política, uma nova Lei de Investimento Privado, investimentos crescentes em infra-estruturas, aposta na formação de  quadros e na produção local foram realçados por Francisco Lelo como vantagens que podem favorecer o capital italiano no nosso país.
O embaixador de Itália, Cláudio Miscia, admitiu uma retracção das trocas comerciais bilaterais - depois de 2014, devido à crise financeira da baixa do preço do petróleo (principal produto de exportação de Angola) no mercado internacional. O comércio entre os dois países teve um pico de dois mil milhões de dólares em 2013.
 
Macfrut-2019
O presidente do conselho executivo da Cesena Fiera, organizadora da Feira Macfrut Enzo Piraccini solicitou, no fórum, empresários angolanos a participarem no certame, que se realiza  em Maio do próximo ano.
“Para a edição de 2019, a organização escolheu a África Subsahariana como parceira do evento e Angola pode obter conhecimento e contratos em tecnologia, sementes, viveiros e de toda cadeia de produção, distribuição e comercialização”, considerou.
Em 2017, participam mais de 1.200 expositores e 43 mil visitantes, num cenário que é considerado uma oportunidade para Angola promover as suas potencialidades junto de países.
O secretário de Estado para a Economia, Sérgio dos Santos, participou no Fórum de Agro-negócio Angola Itália, onde proferiu um discurso aos empresários.

Tempo

Multimédia