Economia

Escola substitui aulas pela produção de hortícolas

Francisco Curihingana | Malanje

O Instituto Médio Agrário de Malanje, que suspendeu as aulas dada a crise sanitária, optou em preencher a agenda de prioridades ao campo na produção de hortícolas.

Fotografia: DR

De acordo com o director da instituição, Manuel Osório, que falava em entrevista ao Jornal de Angola, a activi-dade agrícola está a ser realizada no campo de produção do Instituto onde os estudantes finalistas realizam os seus estágios curriculares, concretamente, os alunos do curso de produção vegetal agrícola.

Neste momento já há resultados com a produção do repolho, couve trochuda, da couve chinesa, tomate, salsa, cenoura, pimento, assim como cebola.
Manuel Osório disse que foram preparados quatro hectares para todas essas hortícolas, onde para o repolho estima-se que sejam colhidas entre quatro mil e 20 cabeças, 538 mil 420 tomates, quatro mil plantas de cebola, além da salsa que, como disse, já tem sido colhida.

Produção vai ser doada

Sublinhou que, atendendo ao momento caracterizado pela Covid – 19, parte da sua produção vai ser doada para as instituições mais carenciadas, nomeadamente, para os Hospital Geral de Malanje, Materno Infantil, Sanatório, o Gabinete Provincial da Acção Social, que controla vários lares com crianças e adultos.

Alargar projecto

Com a provável abertura do ano lectivo,o projecto agrícola poderá ser alargado, segundo garantias do director Manuel Osário.
“Está a terminar agora o período propício para o cultivo das hortícolas, mas também, já está a começar o novo cíclo para outras culturas”, apontou.
Para a materialização das acções, a escola conta com o apoio do governo da província, do Ministério da Agricultura e da direcção local da Agricultura, além de algumas associações a nível de Malanje, que fornecem sementes de feijão e de milho.

Lembrou que muito re-centemente receberam 50 quilos de sementes de milho e quantidades iguais de feijão da fazenda da Quizenga em Cacuso.
Disse existir um convénio com algumas fazendas existentes na região, pois parte dos alunos finalistas do curso de produção vegetal e gestão agrícola realizou estágio nestas instituições.
Manuel Osório apontou a formação e a produção como desafios nucleares da instituição que dirige.

Tempo

Multimédia