Economia

Expansão económica considerada modesta

A economia dos Estados Unidos cresceu a um ritmo modesto a moderado de Setembro ao início de Outubro, apesar do impacto de furacões em algumas regiões, noticiou ontem a Reuters citando a Reserva Federal (Fed), banco central norte-americano.

Economia norte-americana fez grandes progressos e está próxima do pleno emprego
Fotografia: Hoang Dinh Nam |AFP


No Livro Bege, uma relatório de conjuntura publicado oito vezes por ano, a Fed acrescenta que haverem poucos sinais de aceleração na inflação.
Os furacões Harvey e Irma atingiram o território norte-americano durante o período da pesquisa e terão efeito negativo no crescimento económico do terceiro trimestre, acrescentou a Fed, adiantando expectativas de  que o impacto seja temporário.
No relatório, três dos 12 distritos da Fed, Richmond, Atlanta e Dallas-- relataram grandes distúrbios com os furacões. A maioria dos contactos na região da Fed de Dallas, que inclui Houston, informou que não esperava uma significativa disrupção a longo prazo.
O relatório destacou a principal preocupação da Fed: a falta de evidências de aceleração da inflação, apesar de muitos distritos terem dificuldades em encontrar trabalhadores qualificados.
A escassez foi particularmente aguda na construção, transporte, indústria transformadora e em alguns postos da saúde e serviços. “Esta escassez também restringiu o crescimento dos negócios”, disse a Fed.
Isso não contribuiu para salários mais altos e também houve pouca mudança nos preços de venda, apesar de vários distritos terem relatado aumento dos custos dos insumos de fabricação. “As pressões sobre os preços permaneceram modestas”, informou a Fed.
A presidente da Fed considerou sexta-feira, no Clube Nacional dos Economistas, ser alta a probabilidade das taxas de juros de curto prazo serem reduzidas ao limite inferior efectivo.
A autoridades financeiras norte-americanas podem voltar a usar ferramentas financeiras não convencionais para evitar outra grande recessão, advertiu Janet Yellen, indicando que uma desaceleração económica de menor intensidade pode ser suficiente para voltar a colocar as taxas de juros de curto prazo no limite inferior efectivo, acrescentou o líder do banco central dos EUA.
“A probabilidade das taxas de juro de curto prazo serem reduzidas a esse limite a qualquer momento é desconfortavelmente alta”, afirmou.
A economia dos EUA fez grandes progressos e evolui num ponto próximo do pleno emprego, o que deveria conduzir a um aumento da inflação, observou Yellen.
Os maiores bancos dos Estados Unidos, incluindo o Morgan Stanley, HSBC e Citigroup, advertiram recentemente para o que consideraram ser uma fase de “pré-bolha”  nos mercados financeiros, não baseada “em fundamentos macroeconómicos sólidos e puramente especulativa”.

Baixo desemprego
O desemprego dos Estados Unidos recuou para 4,2 por cento em Setembro, taxa mais baixa desde o início de 2001, com o número de pedidos de subsídios de desemprego nos a reduzir em 22 mil na última semana, para 222 mil.
Esse é o menor índice desde 31 de Março de 1973, mas é atribuido ao corte da electricidade em alguns locais de pedido do subsídio.
As informações foram divulgadas quinta-feira pelo Departamento do Trabalho norte-americano. De acordo com os dados, a queda foi provocada pela falta de energia em Porto Rico e nas Ilhas Virgens depois a passagem dos furacões Irma e Maria. Muitos trabalhadores que precisavam fazer o pedido tiveram que realizar a solicitação por meio de fichas de papel.   
Mesmo com a interrupção do servidores de Internet, no mês passado, o número de pedidos de subsídio de desemprego registou ligeiras subidas  naqueles dois territórios.

Tempo

Multimédia