Economia

Fábrica Mestre Akino inicia hoje actividade

André dos Anjos

Depois de sucessivos adiamentos, a Fábrica de Processamento de Carnes Mestre Akino, um investimento privado de pouco mais de quatro milhões de dólares, é inaugurada hoje, na Zona Económica Especial Luanda-Bengo, que vê aumentar, assim, o número de unidades industriais em funcionamento.

Processo de produção experimental já decorre desde Março
Fotografia: DR

Em breves declarações ao Jornal de Angola, ontem, Luís Nicácio, o mentor da iniciativa, fez uma retrospectiva da trajectória do projecto, inicialmente concebido para ser inaugurado em 2015 e que só sobreviveu à crise financeira que se seguiu à queda do preço do petróleo no mercado internacional devido à persistência dos sócios.
O primeiro desaire, lembra o empresário, veio com a depreciação da moeda nacional, que reduziu em quase metade o valor real de um financiamento bancário calculado em moeda externa, mas obtido em kwanzas no quadro do extinto “Programa Angola Investe”.
A situação, conta Luís Nicácio, obrigou os promotores do projecto a mobilizarem recursos (quase metade do orçamento) fora do financiamento do “Programa Angola Investe” para dar seguimento às obras, sem alterar o desenho inicial.
A fábrica que hoje é inaugurada, tal como inicialmente previsto, tem capacidade para 50 toneladas mensais de enchidos que, só em chouriços, calcula-se entre 300 a 350 mil unidades.
Numa primeira fase, de acordo com Luís Nicácio, o empreendimento vai gerar 52 postos de trabalho, quase todos reservados a jovens angolanos, exceptuando dois a serem preenchidos por especialistas estrangeiros, incluindo uma engenheira alimentar, que vai cuidar da qualidade dos produtos.

Tempo

Multimédia