Economia

Fórum Mundial do Turismo investe 910 milhões de euros em Angola

O Fundo Mundial do Turismo prevê investir, em Angola, nos próximos cinco anos 1.000 milhões de dólares (cerca de 910 milhões de euros) no sector, informou, ontem, o presidente da organização.

O Deserto do Namibe, embora pouco divulgado, é uma das paisagens naturais que atrai muitos turistas nacionais e estrangeiros
Fotografia: Edições Novembro

Bulut Bagci, que se encontra em Luanda para presidir à reunião do Fundo Mundial do Turismo (WTF), que abre, amanhã, falava à margem de um encontro com jornalistas para dar a conhecer os preparativos da conferência anual da organização.

Segundo Bulut Bagci, são vários os projectos de investimento em que a WTF está interessada, destacando o pólo de turismo proporcionado pelo Parque Nacional da Quissama, no litoral a sul de Luanda, concretamente na província do Bengo.
O responsável lembrou que no passado dia 12, o Ministério de Hotelaria e Turismo e o WTF assinaram um acordo de parceria para apoiar o desenvolvimento do turismo em Angola.

O presidente do WTF manifestou, também, interesse no Pólo de Desenvolvimento Turístico de Cabo Ledo, cerca de 120 quilómetros a sul de Luanda, estando em estudo a possibilidade de se construir infra-estruturas turísticas que incluam campos de golfe.

Bulut Bagci destacou, ainda, que o fundo tem em carteira um projecto de investimento ligado ao turismo no centro da cidade de Luanda e citou experiências do Dubai, Turquia, Espanha e África do Sul, que implementaram modelos de desenvolvimento turístico e tiveram sucesso.

Nesse sentido, chamou a atenção para a necessidade de o sector do Turismo ser visto para além da construção de hotéis, na perspectiva da educação e formação de recursos humanos.

Luanda vai ser a segunda cidade africana a acolher o fórum, depois de Acra, capital do Gana.

Dados do Instituto Nacional de Estatística indicam que o sector turístico em Angola contribui com cerca de 3,5% para o Produto Interno Bruto do país.

O programa da reunião, que encerra sábado, prevê, além de palestras e debates, visitas ao Pólo de Desenvolvimento Turístico de Calandula, em Malanje, de Cabo Ledo, Luanda, e na província do Namibe, região que possui atractivos turísticos, como o Parque do Yona, o deserto e a Welwitschia Mirabilis.

Só existe em Angola

A Welwitschia Mirabilis é uma planta popularmente conhecida por "polvo do deserto" que só existe no deserto do Namibe, em Angola.

Durante o fórum, o Ministério do Turismo vai homenagear alguns operadores do sector, enquanto a Sociedade de Comercialização de Diamantes de Angola (Sodiam) vai realizar um leilão de pedras preciosas.

A ministra do Turismo, Ângela Bragança, afirmou que, ao acolher a iniciativa, o objectivo do Executivo é atrair investidores estrangeiros e grandes operadores mundiais, além de turistas de lazer.

Segundo a ministra, Angola vai trabalhar com o WTF durante um período não inferior a cinco anos, com o objectivo de desenvolver a actividade turística, atrair investidores e promover a imagem do país.

"A dinamização do sector é uma das alavancas para a diversificação da economia e insere-se nas prioridades do Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022", disse.

Ângela Bragança, sem os nomear, indicou, também, que cinco hotéis de capitais públicos, situados nas províncias de Cabinda, Benguela, Huíla, Luanda e Namibe, vão ser privatizados este ano pelo Executivo, processo que vai ser liderado pelo Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado e pelo Instituto de Fomento Turístico.

Tempo

Multimédia