Economia

Grupo Guangda com novos investimentos

Alexa Sonhi

O Grupo Guangda, uma companhia instalada no Pólo Industrial da Funda, Cacuaco, com operações no fabrico de mobiliário e no sector retalhista com as lojas GUD, anunciou ao Jornal de Angola a iminente abertura de duas fábricas, uma de baterias para automóveis e outra de papelão, qualquer uma delas já em fase de montagem.

Guangda investe na indústria
Fotografia: António Soares| Edições Novembro

A fábrica de mobiliário no Pólo Industrial da Funda, que representa o primeiro emprego para muitos jovens de Cacuaco, está instalada numa área de 40 hectares, tendo absorvido investimentos de 500 mil dólares, de acordo com o gerente administrativo do grupo.

Katondo Jacinto afirmou que os produtos mais solicitados na fábrica e nas lojas GUD são o mobiliário de casa e escritório, colchões e peças decorativas, numa oferta de preços influenciados pela importação de alguns materiais da China para a confecção do produto final.
Implantado em Angola desde 2006, com operações iniciais na aérea de construção e comércio, a partir de 2011 o Grupo Guangda entrou no sector industrial. “Começámos por abrir uma unidade de fabrico de postes de electricidade, de chapas caneladas e isotérmicas e uma de colchões.
Depois foram abertas as outras fábricas como a de mobiliário e contraplacados. No total, são oito fábricas em funcionamento com uma mão-de-obra 95 por cento de origem nacional”, disse Katondo Jacinto. O gerente comercial do grupo notou que um dos últimos grandes investimentos efectuados foi a abertura de duas lojas GUD, uma na Avenida Deolinda Rodrigues (defronte ao Cemitério de Sant’ana) e na entrada do Zango, onde 50 por cento da oferta é constituída por produtos em madeira nacional pura, feita por jovens angolanos.
Katondo Jacinto referiu que, além dos 600 postos de trabalho directos, o grupo mantém 300 indirectos. Cada fábrica tem apenas de um a dois técnicos de nacionalidade chinesa que dão formação e orientam os trabalhos feitos pelos angolanos.

Tempo

Multimédia