Economia

Hotéis baixam preços para atrair os clientes

Ana Paulo

Os preços cobrados pelos serviços, de mais de 20 hotéis angolanos, vão baixar em 40 por cento, no período de 22 a 28 de Julho, altura em que se regista o pico do Cacimbo, época mais fria do ano, em Angola.

Turismo local mais atractivo

Com isso, as diárias nos diferentes hotéis e similares vão oscilar, entre os 12 e 25 mil kwanzas, uma iniciativa da Luanda Night Life que conta, também, com a adesão das companhias aéreas, TAAG e Sonair. Quanto as agências de viagem passam a ter disponíveis promoções, com 20 por cento de desconto, nos bilhetes de passagem.
Pretende-se, com isso, trazer mais ocupantes aos hotéis, restaurantes, resorts e similares espalhados por Angola inteira, afirmou o director executivo da empresa promotora do evento. Cláudio Silva explica, que no Cacimbo, por regra, baixam as taxas de ocupação nos hotéis e a procura de serviços de restauração e similares.
Por esta razão, vão ser promovidas viagens com destinos às províncias, do Huambo, Malanje, Menongue, Lubango, Benguela, (Lobito), N'Dalatando e Luanda, principalmente para a zona Sul e Funda que albergam os principais espaços turísticos. Estas promoções ocorrem no quadro do projecto “Angola Hotel Week”.
Aderiram ao programa, em Luanda, os hotéis Epic Sana, Alvalade, HCTA e Vitória Garden. Fora da capital estão disponíveis na zona do Cabo Ledo, os Resort Carpe Diem e na Funda o Mubanga Lodge.
A título de exemplo, Cláudio Silva referenciou que um quarto, no Epic Sana que hoje custa, 199 mil kwanzas passa na campanha a custar 119 mil.
Nas restantes províncias, estão disponíveis visitas ao Hotel Término no Cuanza - Sul, à Fazenda Cabuta na Vila de Calulu e à Casa Rosa e Hotel Termínus no Lobito.
Para a província do Lubango, a promoção atinge os Resort Cululuca e o Hotel Cheila. Já no Huambo é o Hotel Ekuikui. Em Malanje, o Hotel Palanca Negra aderiu ao programa e para Menongue, no Cuando Cubando, o Kambumbe Lodge.
Há seis anos no mercado, a “Luanda Nigth Life” pretende contribuir para o aumento significativo da taxa de ocupação dos hotéis.

Os preços cobrados pelos serviços, de mais de 20 hotéis angolanos, vão baixar em 40 por cento, no período de 22 a 28 de Julho, altura em que se regista o pico do Cacimbo, época mais fria do ano, em Angola.
Com isso, as diárias nos diferentes hotéis e similares vão oscilar, entre os 12 e 25 mil kwanzas, uma iniciativa da Luanda Night Life que conta, também, com a adesão das companhias aéreas, TAAG e Sonair. Quanto as agências de viagem passam a ter disponíveis promoções, com 20 por cento de desconto, nos bilhetes de passagem.
Pretende-se, com isso, trazer mais ocupantes aos hotéis, restaurantes, resorts e similares espalhados por Angola inteira, afirmou o director executivo da empresa promotora do evento. Cláudio Silva explica, que no Cacimbo, por regra, baixam as taxas de ocupação nos hotéis e a procura de serviços de restauração e similares.
Por esta razão, vão ser promovidas viagens com destinos às províncias, do Huambo, Malanje, Menongue, Lubango, Benguela, (Lobito), N'Dalatando e Luanda, principalmente para a zona Sul e Funda que albergam os principais espaços turísticos. Estas promoções ocorrem no quadro do projecto “Angola Hotel Week”.
Aderiram ao programa, em Luanda, os hotéis Epic Sana, Alvalade, HCTA e Vitória Garden. Fora da capital estão disponíveis na zona do Cabo Ledo, os Resort Carpe Diem e na Funda o Mubanga Lodge.
A título de exemplo, Cláudio Silva referenciou que um quarto, no Epic Sana que hoje custa, 199 mil kwanzas passa na campanha a custar 119 mil.
Nas restantes províncias, estão disponíveis visitas ao Hotel Término no Cuanza - Sul, à Fazenda Cabuta na Vila de Calulu e à Casa Rosa e Hotel Termínus no Lobito.
Para a província do Lubango, a promoção atinge os Resort Cululuca e o Hotel Cheila. Já no Huambo é o Hotel Ekuikui. Em Malanje, o Hotel Palanca Negra aderiu ao programa e para Menongue, no Cuando Cubando, o Kambumbe Lodge.
Há seis anos no mercado, a “Luanda Nigth Life” pretende contribuir para o aumento significativo da taxa de ocupação dos hotéis.

Tempo

Multimédia