Economia

Índia quer livre comércio com o continente africano

Armando Estrela| Nova Deli

A Índia está comprometida em fazer parceria com a África em áreas consideradas prioritárias pelos países do continente, num espírito de “parceirías em progresso”, disse ontem o ministro do Comércio e Indústria e Aviação Civil daquele país, Suresh Prabhu.

Participam no fórum representantes de 32 países africanos
Fotografia: Edições Novembro

Ao intervir 14ª edição do fórum do Banco CII-EXIM, sobre a “Parceria Índia-África”, Suresh Prabhu notou que a Índia e a África devem tomar medidas firmes para assinar um acordo de livre comércio ou um acordo de comércio preferencial. Para já, de acordo com o ministro, a indústria indiana deve estender todo o apoio aos países africanos, visando processar recursos naturais na própria África.
O governante indiano acrescentou que mesmo que a Índia se torne uma economia de 5 biliões de dólares, nos próximos anos, e uma economia de 10 biliões depois disso, o país se esforça para ajudar a África a manter o seu próprio ritmo de crescimento económico.
Suresh Prabhu referiu que a Índia recebeu influxos recordes nos Indicadores de Desenvolvimento Económico (IDE) no último ano fiscal e os fluxos de investimentos externos indianos também mantêm um contínuo aumento.“A África seria o destino preferido dos investimentos indianos”, sublinhou.
O ministro do Comércio e Indústria e Aviação Civil da da Índia referiu, ainda, que “embora a conectividade física entre as duas regiões esteja a ser fortalecida, a oportunidade de expandir a conectividade digital entre a Índia e a África poderia evitar a necessidade de conectividade de infra-estrutura física generalizada e intensiva em capital”. />Segundo ressaltou, mantendo em vista a localização central de África no mapa global, a Índia pode ajudar a estabelecer fortes ligações logísticas na região, tendo realçado ainda as oportunidades para aprofundar a cooperação bilateral Índia-África e as parcerias na agricultura, processamento de alimentos, projectos de energia, desenvolvimento de energias novas e renováveis e desenvolvimento de habilidades, entre outros.

República do Gana


O vice-Presidente do Gana, Mahamudu Bawumia, foi a principal figura africana presente no “Índia e África: criando parceria global para um mundo melhor”.Para Mahamudu Bawumia, tanto a Índia como o Gana foram motivados por desafios comuns de desenvolvimento num mundo cada vez mais globalizado, tendo referido que o seu país empreendeu várias reformas económicas nas áreas de facilidade de fazer negócios e promoção de investimentos privados, para alcançar a estabilidade no nível macroeconómico.
Segundo o vice-Presidente do Gana, “o comércio e o investimento, investimento em capital humano e digitalização ocupam a chave”, entre as di-
versas áreas prioritárias do país, acrescentando que a experiência da Índia em Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) são uma grande ajuda para o Gana atingir as suas metas.

Tempo

Multimédia