Economia

Inflação de Outubro foi a mais alta do ano

A taxa de crescimento da inflação acelerou, em Outubro, em 2,39 por cento, a maior do ano depois da de Fevereiro, quando os preços cresceram 2,30 por cento, indicam números do Instituto Nacional de Estatística (INE) consultados ontem pelo Jornal de Angola.

Hospitais e supermercados absorvem os maiores gastos
Fotografia: Edições Novembro


Os dados afirmam que, em termos homólogos - a 12 meses - a inflação caiu para 26,25 por cento, quando no mesmo mês do ano passado era de 38,69 por cento, uma variação de 12,44 por cento que indica a tendência geral para o abrandamento da taxa de crescimento dos preços no consumidor.
A taxa acumulada - medida de Janeiro a Outubro - também abrandou, para 20,95 por cento, quando no mesmo período de 2016 atingiu 35,19 por cento.
O INE atribui a aceleração da inflação mensal de Outubro à evolução dos preços da classe Saúde, que dispararam 5,06 por cento, além do comportamento verificado nos da classe Bens e serviços diversos (4,03 por cento), Vestuário e calçado (3,85) e Bebidas alcoólicas e tabaco (3,17).
O dados apontam Luanda, onde a inflação de Outubro atingiu 2,98 por cento, como a província em que os preços mais subiram, seguida da Lunda Sul (2,07), Lunda Norte (1,80), Cunene (1,77) e Bengo (1,72).
As províncias com menor variação foram o Cuanza Norte com 1,20 por cento, Zaire (1,33), Bié (1,34), Cabinda (1,38) e Cuando Cubango (1,50).
Em Luanda, a inflação foi influenciada pela classe  Saúde, onde os preços dispararam 5,90 por cento, Bens e Serviços Diversos (4,47), Vestuário e calçado (4,41) e Lazer, Recreação e Cultura (4,04 por cento).  
A inflação homóloga da Luanda abrandou, em Outubro, para 28,96 por cento, diante dos 40,04 por cento do mesmo período do ano passado - menos 11,08 pontos percentuais - e a acumulada para 23,58, contra 36,03 entre Janeiro e Outubro do ano passado.

Tempo

Multimédia