Economia

Inspectores do Comércio esperados em Menongue

Carlos Paulino | Menongue e Madalena José

Uma equipa de inspectores do Ministério do Comércio que vai apurar a venda de produtos alimentares expirados no supermercado da Shoprite na cidade de Menongue é aguardada esta amanhã naquela cidade, soube o Jornal de Angola de fonte oficial.

Vista parcial do supermercado da Shoprite em Menongue onde bens expirados estavam à venda
Fotografia: Nicolau Vasco| Edições Novembro

O director do Gabinete Provincial do Comércio, Israel Ndala, afirmou que, depois da visita em que o secretário de Estado do Comércio, Amadeu Nunes, denunciou, na sexta-feira, a venda de bens alimentares naquele estabelecimento, a gerência foi orientada a “não mexer” na mercadoria até que chegue à província uma equipa de inspectores para analisar os produtos.
Israel Ndala indicou que constam entre os produtos alimentares com prazo de consumo expirado que estavam a ser comercializados, carne de vaca, presunto, ovos e iogurtes e que é frequente o supermercado Shoprite de Menongue vender diversos alimentos expirados, apesar de já ter sido multado devido a essa infracção.
“Apesar de todos os anos serem multados e aconselhados por venderem, sobretudo carne de vaca expirada - que é bastante prejudicial à saúde humana -, este tipo de infracção acontece com muita frequência: já não sabemos o que fazer com a Shoprite no que toca a esta situação”, lamentou.
Israel Ndala disse que só depois do trabalho que os inspectores do Ministério do Comércio vão realizar no decorrer desta semana no Supermercado Shoprite, é que vai-se saber qual será a decisão administrativa esperada.
A nossa reportagem está, desde sábado, a tentar contactar o gerente do supermercado Shoprite de Menongue, para se pronunciar sobre o assunto, mas alega não estar autorizado a prestar declarações à imprensa, remetendo-nos para um comunicado de imprensa que deveria ser emitido ontem.
Isso mesmo aconteceu quando, em Luanda, este jornal tentou contactar o gestor da rede de supermercados Eduardo Cussendala e a assessora jurídica Monika Saweka, com o primeiro a declarar não estar autorizado a falar e a segunda a alegar a “política da empresa” para não responder aos jornalistas.

Mudança de atitude
Em contactos entretanto realizados em Menongue e em Luanda, o Jornal de Angola apurou que alguns consumidores estão a mudar de atitude em relação aos supermercados Shoprite. Luteca Kaladissa, cliente regular do estabelecimento em Menongue, disse que, depois da denúncia pública do secretário de Estado, decidiu deixar de comprar produtos perecíveis, limitando-se à aquisição de detergentes naquela loja.
A entrevistada considerou que a situação fez com que o movimento de clientes na Shoprite diminuísse consideravelmente, porque muitos estão com receio de serem enganados na compra de um produto expirado.
João Cassanga, outro consumidor, manifestou insatisfação pelo serviço prestado pela Shoprite, instando as autoridades para que os estabelecimentos comerciais encontrados a vender alimentos em estado de caducidade, a par de serem multados com somas avultadas, devem ver os gestores responsabilizados criminalmente para que não voltem a cometer o mesmo erro.
O consumidor João Augusto admite poder estar exposto à compra de produtos expirados, uma vez que as suas decisões de compra são tomadas com base nos preços baixos, geralmente atribuídos a produtos em vias de caducar.
José Costa é de opinião que o consumidor deve estar mais atento, principalmente quando há baixa de preços, o que só acontece quando o produto está prestes a expirar, o mesmo que Maria de Fátima, que apela os clientes da Shoprite a não seguirem muito as promoções nesses estabelecimentos.
A nossa reportagem encontrou promoções de produtos como o requeijão, com data de caducidade para 22 de Fevereiro de 2019, e mistura para bolo Snowflake, que caduca a 28 de Fevereiro de 2019.

Tempo

Multimédia