Economia

Interligação do norte com o sul já arrancou

Uma equipa da Rede Nacional de Transporte (RNT) de energia iniciou ontem o trabalho de campo no município da Matala (Huíla), no sentido de concretizar o estudo de impacto ambiental nas zonas onde serão instalados os postes de alta tensão para o transporte de energia a partir de Laúca, no âmbito do processo de interligação do sistema norte e sul do país.

Os trabalhos vão demorar cerca de três anos, diz a empresa Aurecon
Fotografia: Arimateia Baptista | Edições Novembro | Huíla

A execução da empreitada, a cargo da Aurecon, permitirá nos próximos três anos que a energia produzida na barragem de Laúca, na província de Malanje, chegue ao sul do país, através de uma linha de alta tensão que passará pelo Cuanza Sul e Huambo.
A responsável que responde pela empresa Aurecon, Isabel Silva, disse que o programa de construção contempla duas fases, divididas por um estudo de impacto ambiental e a outra ligada à instalação das torres.
A pretensão é interligar os sistemas eléctricos de Angola, sobretudo o Norte, Centro e Sul do país, abrindo a possibilidade de vender o produto a países como a Namíbia e vice-versa, em caso de excesso ou défice na produção. />O engenheiro da RNT, Ixiéto Ngonga, disse que a execução deste projecto trará inúmeros benefícios para o desenvolvimento industrial na região, sendo que será instalada subestação do Nombumgo, no Lubango, e a partir daí reforçar a distribuição.
Com a ligação da barragem de Laúca à Huíla espera-se uma disponibilidade de 400 Megawatts (MW) de energia eléctrica, que se juntarão aos 60 MW disponíveis, numa província cuja necessidade gira em torno de 350 MW.
Actualmente a construção da linha que vem de Laúca está em direcção ao Huambo, depois de ter chegado ao município da Cela, no Cuanza-Sul.

Tempo

Multimédia