Economia

Conferência abre debate sobre gestão dos recursos

As compras do petróleo angolano pelos Estados Unidos dispararam desde Junho, ultrapassando os dez por cento do total da produção nacional, indicam dados da unidade de estatística (EIA) do Departamento de Energia norte-americano.

Aceleração das exportações angolanas para os Estados Unidos para uma média de 110 mil barris por dia ainda está abaixo dos fluxos do ano passado
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

No mês de Junho, os Estados Unidos compraram a Angola o equivalente a 178 mil barris de crude por dia, registo que subiu no mês seguinte para 189 mil barris e uma produção diária angolana que ronda os 1,6 milhões de barris diários.
Em Fevereiro, afirmam os dados da EIA, as compras norte-americanas do petróleo angolano foram de apenas 64 mil barris por dia, valor que caiu ainda mais no mês seguinte, para apenas 30 mil barris. Nos sete meses já contabilizados em 2017 pelo Departamento de Energia, as compras do petróleo angolano pelos Estados Unidos rondaram, em média, os 110 mil barris diários, ainda assim abaixo do mesmo período de 2016, então com um registo médio de 186 mil barris diários.
A Nigéria, que concorre com a Angola como principal fornecedor africano de petróleo aos Estados Unidos, garantiu neste mesmo período, entre Janeiro e Julho, vendas médias equivalentes a 298 mil barris por dia.
Cerca de 50 por cento do petróleo angolano é comprado pela China, logo seguida pela Índia, que tem vindo a reforçar as compras de crude a Angola.
As reservas de petróleo dos Estados Unidos registaram na primeira quinzena de Setembro uma nova quebra, de 1,8 milhões de barris, ficando em 471 milhões, informou o Departamento de Energia.
A descida foi superior ao esperado, com as previsões a apontarem para uma diminuição de 700 mil barris. As reservas de petróleo mantêm-se acima da média para esta época do ano, segundo o relatório do Governo norte-americano.

Total paga ao fisco
A multinacional francesa Total anunciou que pagou ao Estado angolano, durante o terceiro trimestre de 2017, cerca de 200 milhões de dólares (33.349 milhões de kwanzas) para “resolver” um diferendo fiscal, noticiou a imprensa portuguesa. A informação foi transmitida pelo director financeiro da Total, Patrick Chevroiere, na sequência da apresentação aos analistas, na sexta-feira, dos resultados do grupo francês, relativos ao período entre Julho e Setembro.
 Não foi adiantada informação sobre este diferendo entre a Total, a principal petrolífera que opera em Angola, e o Estado angolano. Em Abril, o director-geral adjunto da Total EP Angola revelou que os contratos da empresa de capitais franceses no mercado nacional envolvem 350 empresas e mais de dois mil milhões de dólares (mais de 333,5 mil milhões de kwanzas).
Num seminário de fornecedores nacionais da indústria petrolífera naquela altura realizado em Luanda, Pedro Ribeiro declarou o compromisso da companhia expandir a participação de parceiros nacionais nos processos de exploração e produção de petróleo em Angola, desde que se afigurasse “seguro, eficiente e respeitasse os critérios industriais”.
Estas parcerias, apontou, já se revelaram cruciais para a edificação do projecto de exploração e produção de petróleo em águas ultra profundas Kaombo, no bloco 32, no qual a participação de contratadas angolanas da Total representa 14 milhões de horas de trabalho e 2,3 mil milhões de dólares (cerca de 384 mil milhões de kwanzas) em vários estaleiros do país.
O número de horas de trabalho observado na fase de exploração do projecto constitui um marco na indústria petrolífera angolana, que absorve entre 50 e 75 por cento dos nove mil milhões de dólares (1,4 triliões de kwanzas) que a companhia investe em custos operacionais ao longo dos próximos 20 anos, anunciou Pedro Ribeiro.
O director-geral adjunto da Total EP Angola considerou o projecto Kaombo constitui um bom exemplo em matéria de parcerias com o capital angolano, pois deu lugar ao surgimento de novas indústrias e equipamentos em número assinalável, alinhado com os projectos de angolanização do sector.

                              Conferência aborda questões do sector dos hidrocarbonetos

Uma conferência sobre a gestão eficiente de recursos não renováveis, com incidência para os hidrocarbonetos,   como veiculo para o fomento do empresariado nacional é realizada amanhã em Luanda pelo Centro de Apoio Empresarial (CAE).
O encontro tem como principal oradora a engenheira Albina Assis, ministra dos Petróleos entre 1992 e 1999, e é realizadas sob os auspícios do Centro de Apoio da Sonangol e da Câmara de Comércio e Indústria de Angola. 
O Centro de Apoio Empresarial nota que, no livro “Gestão Sustentável do Petróleo Angolano”, Albina Assis afirma que os recursos não-renováveis, como o petróleo, podem ser transformados em renováveis caso os rendimentos desta indústria sirvam para desenvolver os outros sectores da economia.
De acordo com o documento, com base nesta afirmação, Albina Assis faz uma apresentação para a classe empresarial angolana e instituições ligadas ao petróleo, a industria e outros sectores, com o objectivo de consciencializar os participantes da forma como uma gestão eficiente e sustentável dos recursos não renováveis contribui para o aumento da participação dos fornecedores locais no sector.
A prelecção incide sobre o impacto ambiental da exploração  de hidrocarbonetos.
O Centro de Apoio Empresarial pretende que a conferência proporcione  partilha de informação, de conhecimentos  e interacção entre os participantes, prevendo-se a “participação activa” de representantes dos ministérios dos Recursos Naturais e Petróleo, Indústria, Economia e Comércio, Sonangol e outras petrolíferas.

Tempo

Multimédia