Economia

Especialistas avaliam estado técnico do CFB

Uma equipa multidisciplinar, integrada por técnicos do Instituto Superior Católico de Benguela (ISPOCAB) realiza, desde ontem , um inquérito ao longo do ramal do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB), com vista a avaliar a viabilidade do processo de transportação de pessoas e bens.

Estudo procura identificar oportunidades de negócio ao longo da via
Fotografia: DR

Em declarações à Angop, no Cuito, capital da província do Bié, após uma paragem na Estação do Cunje, o coordenador da caravana, Isaac Samoma, disse que a equipa é composta por 32 especialistas de diversas áreas do saber.
Sem avançar a duração do inquérito, explicou que o objectivo é identificar as fraquezas, forças, ameaças e as oportunidades existentes ao longo da linha, com vista a fazer o levantamento dos aspectos sociais, económicos e ambientais que o CFB oferece às comunidades.
O inquérito, de acordo com o coordenador da caravana, vai também avaliar o processo erosivo, que está na origem das ravinas ao longo do ramal, os custo dos bilhetes e a frequência das locomotivas.
 Integram a comitiva, docentes dos cursos de Engenharia Mecânica, Topografia, Cartografia, Ambiente, Finanças, Comunicação, Sociologia, Contabilidade, entre outras especialidades ministradas no Instituto Superior Católico de Benguela.
Cada um dos integrantes, de acordo com a fonte, vai  proceder ao levantamento dos aspectos relacionados com a sua área de actuação, no sentido de enriquecer o relatório que será apresentado no congresso da instituição, que se realiza em Outubro.
Além dos docentes, participam também na jornada oito estudantes finalistas dos cursos de Contabilidade, Ciências da Educação, Direito, Arquitectura e Engenharia Civil.

Tempo

Multimédia