Economia

Fábrica de cimento retoma produção

A cimenteira China International Fund (CIF), localizada no Bom Jesus, arredores de Luanda, já retomou a produção de cimento, após quatro meses de paralisação, em consequência da falta do combustível Heavy Fuel Oil (HFO), matéria-prima usada para a produção do clinquer.

Unidade fabril de Bom Jesus
Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

Com a retomada da produção da CIF, uma fábrica com capacidade instalada anual de produção de 3,6 milhões toneladas de cimento, por sinal a maior do país, o  mercado nacional começa a receber o produto a partir de Dezembro, já que neste momento a unidade fabril está apenas a repor o stock.
Além da CIF, também está paralisada, desde o dia 1 deste mês, a Fábrica de Cimento do Kwanza Sul (FCKS), com capacidade instalada de 4.200 toneladas de cimento por dia. Para solucionar o problema de combustível das cimenteiras, a Refinaria de Luanda começou na semana passada a fornecer os primeiros carregamentos de HFO às cimenteiras. No dia 10 deste mês, a CIF adquiriu 35 metros cúbicos de combustível, o equivalente a 35 mil litros, e a FCKS 38 metros cúbicos (38 mil litros).
Com a disponibilização do Heavy Fuel Oil pela Refinaria de Luanda, a FCKS vai retomar a sua produção dentro de 50 dias, segundo disse à RNA a presidente do Conselho de Administração da fábrica, Emanuela Vieira Lopes. Quanto ao preço do HFO, a gestora disse que continuam a  trabalhar, no sentido de se encontrar consenso nas negociações  entre a Refinaria de Luanda e as cimenteiras. Para minimizar os custos de produção do cimento, Emanuela Vieira Lopes referiu que já foi elaborado um projecto para obtenção de financiamento para instalação de sistemas de energia a carvão.
O combustível, que até então era adquirido na empresa Nova Cimangola, outra concorrente no mercado de cimento, já pode ser comprado na Refinaria de Luanda ao preço de 71,31 kwanzas o quilograma, sendo que, para as cimenteiras e outros grandes compradores, o valor foi fixado em 68,50 kwanzas o quilograma.
Com o pleno funcionamento das fábricas da CIF, Nova Cimangola, FCKS (Cuanza-Sul), Secil e Cimenforte (Benguela), o país soma uma produção de cimento de 8,6 milhões de toneladas por ano. Com esta capacidade, o país volta a ser auto-suficiente na produção desta matéria-prima indispensável para o desenvolvimento das infra-estruturas e de outros projectos essenciais do sector de construção.

Tempo

Multimédia