Economia

Produção agrícola tem apoio bancário

Um total de sete mil milhões, 571 milhões 928 mil e 350 kwanzas é o valor aprovado para o acordo financeiro a ser celebrado entre o Ministério das Finanças e o Banco de Negócios Internacional (BNI), para o apoio do programa de aquisição e afectação de meios e equipamentos para o ano agrícola 2017-2018.

Fotografia: Jaimagens | Edições Novembro

De acordo com  o Despacho  Presidencial publicado  em  "Diário da República" de  7 de Dezembro,  justifica-se a necessidade de se implementar projectos  integrados no Programa  de Investimento  Público, com  vista  a  dinamizar o  desenvolvimento económico  e social do país, por meio do relançamento da agricultura.
O diploma,  assinado pelo Presidente da República João Lourenço, já  está  em vigor e autoriza o ministro das Finanças  a celebrar  o  acordo  de financiamento e proceder  à  assinatura  de toda   a  documentação  relacionada  com o mesmo.
A campanha  agrícola  2017-2018  foi aberta em  Outubro  deste ano pelo Presidente da República  no município de  Cachiungo,  província  do Huambo. De acordo com projecções do Ministério da Agricultura e Florestas, na campanha  espera-se produzir dois milhões e 500 mil toneladas de cereais em todo o país.

Parceria com o Brasil
A Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (Embrapa) está disponível para transmitir a sua experiência a Angola, para o reforço da capacidade institucional e de pesquisa dos centros de investigação angolanos.
A intenção desta cooperação foi manifestada durante a visita  ao Brasil de uma delegação angolana chefiada pelo ministro da Agricultura e Florestas, Marcos Nhunga, que manteve um encontro com o presidente da Embrapa, Maurício Lopes, refere um comunicado  da Embaixada angolana em Brasília.
Maurício Lopes mostrou-se  disponível para contribuir para a actualização do "zoneamento agro-ecológico de Angola", como a “carta magna” para o desenvolvimento da agricultura nas distintas regiões do país, desenvolvendo as culturas de acordo com o clima, solos e recursos hídricos.
Durante a visita de trabalho da delegação angolana ao Brasil, Marcos  Nhunga manteve ainda encontro com o presidente da Empresa Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Roberto Carneiro, que se mostrou disponível para ajudar o Instituto de Desenvolvimento Agrário de Angola (IDA).
Roberto Carneiro disse ao ministro angolano da Agricultura e Florestas que a Emater pode contribuir para o aumento e a especialização da produção camponesa, trabalhando sobre o passivo social e ambiental, e desempenhar um papel de educação para o desenvolvimento da comercialização, do turismo rural, do artesanato e de actividades agro-extractivas e de serviços agropecuários.

Tempo

Multimédia