Economia

Regresso da FILDA anunciado para Julho

Madalena José |

A Feira Internacional de Luanda  FILDA) foi ontem anunciada, em Luanda, para 26 a 30 de Julho, na Baía de Luanda, sob o lema “Diversificar a economia e potenciar a produção nacional, visando uma Angola auto-suficiente e exportadora”.

Baía de Luanda
Fotografia: Edições Novembro

O anúncio foi feito pela presidente do conselho de administração do Instituto de Fomento Empresarial (IFE), Dalva Ringote Allen, numa conferência de imprensa em que revelou que o certame é realizado sob os auspícios do Ministério da Economia e organizado pela Eventos Arena, numa área bruta de 16 mil metros quadrados.
Dalva Ringote Allen avançou que as inscrições para os expositores estão abertas desde ontem e vão até ao dia 15 de Junho, com a organização a prever a participação de 200 empresas nacionais e estrangeiras. A organização dá prioridade às empresas do sector produtivo, nomeadamente a agricultura e indústria transformadora, mas isso não significa que outras empresas não possam participar. “Vamos dar prioridade ao sector primário para permitir aos empresários trocar ideias e colher experiências, fundamentalmente de empresas estrangeiras”, disse.
Dalva Ringote Allen definiu a FILDA com “um símbolo do desenvolvimento económico e social de Angola, um ponto de encontro de operadores e parceiros nacionais e estrangeiros” ou “uma amostra das capacidades e potencialidades de Angola e uma iniciativa que se impõe no panorama nacional, estimulando o aumento da capacidade produtiva e o lançamento de novas pontes económicas”.
Bruno Albernaz, da Eventos Arena, disse que a feira vai estar organizada por sectores de actividade e assinala dias dos países, dos sectores e uma gala de galardoação para a empresa melhor representada. Foram convidados 15 países  europeus e africanos e as entradas para os visitantes terão um preço de 1.500 kwanzas. A realização da FILDA foi interrompida no ano passado, depois de ter sido transferida de Julho para Novembro e, nessa altura, se verificar que as inscrições de expositores eram em 75 por cento inferiores às de 2015.
Naquele ano, cerca de 800 expositores participaram na feira, representando 40 países, com destaque para Angola, Itália, Alemanha e Portugal.
Bruno Albernaz considerou que, depois da interrupção, a FILDA 2017 não vai superar as outras edições, uma vez que será num espaço diferente e inferior ao habitual. “O que se pretende é alavancar a actividade, por ser um evento importante que trás perspectivas diferentes de negócios”, disse.
A 32ª edição da FILDA, realizada de 21 a 26 de Julho de 2015, movimentou um volume de negócios estimado em 11 milhões de dólares, resultado de cinco dias de contactos comerciais.

SAPO Angola

Tempo

Multimédia