Economia

Jefran propõe mecanismo de resolução aos clientes

A Jefran, uma empresa de promoção imobiliária que a 3 de Junho viu a sua operação interrompida pelo Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (INADEC), propôs ontem aos clientes, que entre 2010 e 2012 pagaram por imóveis que não receberam, a devolução do dinheiro aos que desistirem do projecto e a entrega das habitações por auto de medição.

Proposta prevê devolução do dinheiro ou entrega das casas
Fotografia: DR

Num comunicado ao qual o Jornal de Angola teve acesso ontem, a Jefran declara a “vontade inequívoca” de solucionar os diferendos que a opõem aos clientes, por meio da devolução dos valores monetários aos que entenderem desistir do contrato, bem como a entrega de imóveis por auto de medição (pelo trabalho realizado) ou de residências acabadas aos que quiserem manter o negócio.
“Apesar das inúmeras dificuldades económicas e financeiras que enfrentamos, reiteramos o nosso desejo de satisfazer a vontade de todos os nossos clientes de acordo com o resultado que cada renegociação vier a produzir”, declara o documento datado de sexta-feira última.
O documento enumera as causas que levaram a Jefran ao incumprimento, apontando as dificuldades do país, as quais afectaram todo o sector da construção no país e “causaram prejuízos irreparáveis” à empresa, afectando clientes por não ter sido possível honrar “alguns compromissos contratuais”.
A firma descreve também as “variações cambiais” e “falta de divisas” que levaram à tomada de “uma medida de desespero” que consistia em alterar o câmbio para dar resposta atempada aos compromissos com os clientes, algo que admite não ter sido bem acolhido.
No comunicado, a Jefran pede “desculpas públicas pelos prejuízos e transtornos causados” aos clientes.
O director-geral adjunto do INADEC, Eugénio Almeida, declarou quinta-feira à imprensa que a Jefran lesou 372 consumidores, aos quais provocou prejuízos financeiros totais da ordem de 1 142 milhões de kwanzas.

Tempo

Multimédia