Economia

Júri anuncia tributo ao povo angolano

Armando Estrela |


A sétima edição dos Prémios Sirius da Deloitte, uma iniciativa que visa reconhecer as boas práticas na gestão das empresas e na actuação dos empresários, empreendedores e gestores e contribuir para a criação de uma cultura empresarial de excelência, foi apresentada ontem em Luanda pelo corpo de júri presidido pelo economista Manuel Nunes Júnior.

Jurado diz que processo de identificação e análise das empresas já está em curso
Fotografia: Maria Augusta | Edições Novembro

Manuel Nunes Júnior disse no evento que a homenagem deste ano vai ser dedicada ao povo angolano e à República de Angola, no âmbito do tema “Um povo, um país”. Essa matéria, disse o presidente do júri, “é uma homenagem à forma elevada como o país tem sabido desenhar e conduzir os seus destinos e afirmar-se internacionalmente, granjeando respeito e admiração”.
Durante o encontro com jornalistas, Manuel Nunes Júnior afirmou que “o povo angolano, embora heterogéneo na diversidade e riqueza étnica e cultural, sabe afirmar-se como uma grande nação  coesa, forte e determinada e, acima de tudo, com uma ambição de querer ir mais longe, de fazer mais e melhor, de mostrar ao mundo e a todos quantos nos visitam e connosco interagem um espírito de abertura, de diálogo e de fraternidade”.
“Estes atributos têm sido bases essenciais para o desenvolvimento económico, social e cultural a que temos assistido. Não restam dúvidas de que o país é hoje o símbolo de um país política e institucionalmente maduro, com um papel de grande relevo no quadro da geopolítica internacional, nomeadamente no que respeita à África Subsaariana”, concluiu Manuel Nunes Júnior.
O presidente da Deloitte em Angola, Duarte Galhardas, referiu que “é a fibra deste povo que os Prémios Sirius querem enaltecer e homenagear este ano, cientes que estamos todos de que a sociedade angolana encerra em si todos os atributos para continuar a afirmar-se como um país de excelência”. Duarte Galhardas acrescentou: "Tal como no passado continuamos empenhados em contribuir para os destinos deste país, distinguindo o talento e os melhores exemplos do sector empresarial angolano e promovendo uma cultura de rigor e excelência.”
O júri da sétima edição dos Sirius, no qual este ano estreia o engenheiro Fernando Pacheco, é constituído por um corpo independente e isento de pessoas, do qual fazem parte  Henda Inglês, José Severino, Laurinda Hoygaard, Manuel Alves Monteiro e Vera Daves.
Os nomeados para as categorias dos Prémios Sirius devem ser conhecidos no início do próximo mês. O processo de identificação e análise das personalidades e empresas elegíveis para efeitos de nomeação, que suporta a decisão do jurado, é realizado por uma equipa de profissionais da Deloitte e tem por base os critérios inscritos no “Guia de Nomeação” e no “Regulamento dos Prémios”.
A gala de entrega de prémios está agendada para Luanda, no dia 30 de Novembro. A categoria Prémio Empresa Exportadora, uma novidade na edição passada, que visa distinguir a empresa nacional que, exportando produtos ou serviços, contribui, de uma forma positiva, para o esforço de equilíbrio da balança comercial do país, para a modernização do tecido empresarial angolano e para a criação de postos de trabalho, vai manter-se este ano.
No total, são nove as categorias da sétima edição dos Prémios Sirius, nomeadamente “Empresa do Ano do Sector Financeiro”, “Empresa do Ano do Sector Não Financeiro”, “Melhor Relatório de Gestão e Contas do Sector Financeiro”, “Melhor Relatório de Gestão e Contas do Sector Não Financeiro”, “Melhor Gestor do Ano”, “Melhor Investimento Directo Estrangeiro”, “Melhor Programa de Responsabilidade Social”, “Melhor Programa de Desenvolvimento do Capital Humano” e “Melhor Empreendedor do Ano”. A Deloitte presta serviços de auditoria, consultoria e serviços relacionados em mais de 150 países, combinando competências e serviços.

Tempo

Multimédia