Economia

Juro está bem gerido na maioria dos bancos

O Banco Central Europeu (BCE) considera que as taxas de juro estão bem geridas na maioria dos bancos europeus que supervisiona directamente, de acordo com as conclusões dos últimos testes realizados pela entidade a 125 instituições.

O BCE quis saber como reagiriam os bancos a mudanças nas taxas de juro e afirmou que “taxas de juro mais elevadas iriam gerar receitas líquidas mais elevadas nos próximos três anos na maioria dos bancos, mas o valor económico do capital seria reduzido”.
Segundo o BCE, uma subida de 200 pontos base nas taxas de juro directoras incrementaria as receitas líquidas por juros em 4,1 por cento em 2017 e 10,5 por cento em 2019, mas reduziria o valor económico do capital em 2,7 por cento. No caso de as taxas de juro se manterem nos níveis de finais de 2016, sem crescimento do crédito, as receitas líquidas por juros cairiam 7,5 por cento.
De acordo com o relatório do BCE, citado pela agência EFE, os supervisores devem agora falar directamente com cada um dos bancos analisados. Segundo o BCE, alguns bancos deviam ajustar a quantidade de capital exigida para enfrentar os riscos identificados em caso de uma subida das taxas de juro. Mas, a procura de crédito não vai alterar-se, como resultado do exercício, refere. O BCE testou como seriam afectados os bancos no caso de seis alterações nas taxas de juro directoras e insistiu que os impactos que foram aplicados aos bancos foram meramente hipotéticos e não serão estabelecidos como projecções para a evolução das taxas de juro na Zona Euro.

Tempo

Multimédia