Economia

Mais famílias pobres vão receber dinheiro

O programa de transferência monetária às famílias vulneráveis, denominado por Kwenda, criado para reforçar o combate à fome e à pobreza, vai ser lançado sábado, no município do Nzeto, província do Zaire, pelo ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, em representação do Presidente da República.

Programa de transferência monetária para as famílias passa também pelo acesso a parcelas
Fotografia: Eduardo Cunha | Edições Novembro

Orçado em 420 milhões de dólares, dos quais 320 milhões financiados pelo Banco Mundial e 100 milhões, pelo Tesouro Nacional, o programa Kwenda vai, igualmente, abranger as localidades de Cambundi Catembo (Malange), Cacula (Huíla), Ombanja (Cunene) e Cuito Cuanavale (Cuando Cubango).

Segundo um comunicado do Governo, mais de três milhões de pessoas que residem nas zonas rurais vão beneficiar do apoio directo do Estado, nesta fase inicial.
O programa integra três fases e tem o término previsto para 2022. O objectivo é fazer o acompanhamento às famílias em extrema pobreza, dotando-as de mecanismos para auto-sustentabilidade em meios agrícolas, educação escolar, financeira, produção e comercialização de produtos do campo.

Para a implementação e eficiência do programa, o Executivo harmonizou o Kwenda ao programa em curso da regularização jurídica de parcelas de terras de até dois hectares para cada agregado familiar nas zonas rurais, em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Agrícola (IDA).

O programa prevê, igualmente, o registo de nascimento das pessoas e estratégias para combater a gravidez precoce. Cada família recebe 25 mil kwanzas por trimestre, equivalente a 8.500 kwanzas nos meses de Maio, Junho e Julho. O segundo pagamento deve ocorrer em Agosto e o terceiro em Novembro.

Tempo

Multimédia