Economia

Meio milhar de hotéis disponíveis em Angola

Victorino Joaquim

Angola tem cerca de 500 hotéis de cinco, quatro e três estrelas e perto de 1.200 motéis e pensões, de acordo com números apresentados ontem, em Luanda, pelo secretário-geral da Associação de Hotéis e Resorts de Angola (AHRA).

Sessão de debate na Conferência Nacional de Quadros da Hotelaria e Turismo
Fotografia: Agostinho Narciso| Edições Novembro

Ramiro Barreiro, que falava à imprensa, à margem da Conferência Nacional de Quadros da Hotelaria e Turismo, anunciou que a entrada de turistas em Angola passou de 600 mil em 2014, para 200 mil no ano passado, o que está relacionado com o agravamento da situação económica e financeira no país. A conjuntura económica dos últimos três anos, acrescentou o responsável, afectou os negócios das agências de viagens, hotéis e demais organizações, de tal forma, que o número de quadros do sector baixou de 120 mil para 60 mil este ano.
“O sector do Turismo é muito abrangente e, qualquer anomalia, como as crises económicas, guerra, catástrofes e terrorismo afecta o seu desenvolvimento”, disse, citando como exemplo, a situação dos países Magrebe onde, todos os dias, o número de turistas vai decrescendo.
Para ultrapassar esta situação, Ramiro Barreiro considerou ser necessário regular o sector, para que, na medida que a economia do país vai se desenvolvendo, proporcione, também, o crescimento do turismo.
Ramiro Barreiro também defendeu a entrada de capital estrangeiro para apoiar o sector do turismo em Angola.
 O presidente do Conselho de Direcção da AHRA, Armindo César, anunciou a realização, em Novembro deste ano, de uma exposição denominada Exphotel-Angola e de um congresso internacional de hotelaria e turismo, em Luanda.
A realização da Exphotel-Angola vai contar com a participação de fábricas de bebidas, têxteis, produtoras de móveis, louça, equipamento de cozinha, entre outros, visando identificar as indústrias que no país produzem. Prevê-se que o congresso conte com a participação de representações de países africanos e europeus, que vão transmitir as suas experiências sobre o modo de como conseguiram vencer as limitações em termos de recursos, para se tornarem destinos turísticos de referencia internacional.
A AHRA vai criar um prémio que será atribuído anualmente ao hotel ou resort com a melhor oferta de serviços eficientes e de qualidade, revelou Armindo César, notando que o prémio será denominado “Hotel ou Resort qualidade”.
Os prémios serão atribuídos em gala pública por um corpo de jurado a ser indicado, que avalia com base nos relatórios de inspecção levadas a cabo pelo órgão competente do Ministério da Hotelaria e Turismo e as informações constantes no livro de reclamações.
No discurso de abertura, a ministra de Hotelaria e Turismo, Ângela Bragança, apelou os operadores turísticos a adoptarem à criatividade e a inovação na estruturação dos seus negócios, oferecendo roteiros turísticos.
Ângela Bragança falou da necessidade de se trabalhar para ombrear com os países que registam um elevado número de turistas, tendo referido que um importante passo foi dado com a política de isenção e de facilitação de vistos.
“Temos de captar investimentos nacionais e estrangeiros para o desenvolvimento do turismo, realizando estudos e estabelecendo políticas capazes de atrair parcerias credíveis para projectos estruturantes que produzam resultados e oportunidades duradoiras e sustentáveis”, afirmou

Tempo

Multimédia