Economia

Mulheres incentivadas à agricultura

As mulheres do município Bailundo, na província do Huambo, foram incentivadas, há dias, a desenvolverem a agricultura sustentável para a geração de rendimento às famílias do meio rural e, de forma directa, se repercutir na sociedade como factor de riqueza.

Fotografia: DR

O apelo foi lançado pela economista Maria da Conceição Catuvala, durante uma palestra sobre a inserção da mulher na economia, promovida pelo Fórum de Mulheres Jornalistas para a Igualdade do Género, realçando que são as famílias darem os primeiros passos para o desenvolvimento económico e não o Estado.

“A economia deve ser organizada a partir de casa”, enfatizou, pelo que valorizou o importante papel que a mulher representa no desenvolvimento de vários sectores da vida económica, nomeadamente a agricultura, indústria, comércio, entre outros.

Maria da Conceição Catuvala explicou, durante a palestra, os passos para desenvolver um negócio, apontando que a organização dos produtos e higienização são chamariz para atrair clientes, pelo que, disse, “o empreendedor precisa definir o ramo da actividade, produtos ou serviços que pretende oferecer” para satisfazer as necessidades do mercado, apostando, também, na inovação.

“É preciso ter em conta a procura do produto, a quantidade necessária para o negócio, para que não tenha prejuízos, o valor a investir, em quanto tempo deseja ter o retorno do capital investido, de onde virão os recursos necessários, para iniciar o negócio, dar um nome e localização do negócio”, sublinhou.

Contexto do género

A responsável do Núcleo do Fórum de Mulheres Jornalistas para a Igualdade no Género no Huambo, Ivone de Lurdes, considerou que o encontro no Bailundo, que juntou mulheres e homens, de diferentes estratos sociais, visou debater e recolher contribuições em torno da problemática relacionada ao respeito pelos direitos económicos dos cidadãos, com enfoque às mulheres.

“É nosso objectivo aumentar os conhecimentos das pessoas sobre o contexto do género, aqui no município do Bailundo, discutir os entraves que se registam, a nível local, para a inclusão social e económica das mulheres, e incentivar o empreendedorismo”, salientou.
As mulheres participantes ao encontro apresentaram um conjunto de preocupações, como a violência doméstica, dificuldades na aquisição de fertilizantes e adubo e o escoamento da produção do campo para o grande centros comerciais.

Tempo

Multimédia