Economia

Natureza das infracções preocupam autoridades

Ana Paulo

A venda de produtos impróprios para o consumo, a não emissão de facturas, a variação dos preços e a falta de letreiros nos estabelecimentos comerciais continuam a ser as principais infracções cometidas pelos vendedores e fornecedores no mercado nacional, indicou na segunda-feira, em Luanda, o inspector geral do comércio.

A venda de produtos impróprios para o consumo, a não emissão de facturas preocupam inspectores do Comércio
Fotografia: DR

Fernando Catumbila, que falava na cerimónia de abertura de uma seminário de capacitação de inspectores do Comércio, que decorre em Luanda, nas instalações da ENDE, disse que os inspectores comerciais estão preocupados com a qualidade dos produtos apresentados que chegam ao mercado e o grande número de estabelecimentos comerciais sem identificação.
A Inspecção do Comércio, de acordo com Fernando Catumbila, vai reforçar o trabalho de fiscalização, em colaboração, entre outros organismos, com o Laboratório Nacional de Controlo de Qualidade e o Instituto de Preços e Concorrência.
Na sua intervenção, Fernando Francisco Catumbila defendeu a necessidade de se aumentar o número de inspectores para reforçar os serviços de fiscalização. Neste momento, disse, o país conta com 97 inspectores, número insuficiente para cobrir o mercado.



Tempo

Multimédia