Economia

Norte do país adopta cultura de cereais para aves rústicas

A Direcção da Agricultura da Huíla pretende, na campanha agrícola 2017/2018, implementar um processo de transferência da produção de massango e massambala do Sul para o Norte do país, anunciou no Lubango o director-geral do Instituto de Desenvolvimento Agrícola (IDA).

Fotografia: Edições Novembro

David Tunga, que falava na quarta-feira depois da entrega de seis mil unidades de charruas de tracção animal ao governo da Huíla, disse que a iniciativa enquadra-se na necessidade de aumentar a produção daqueles cereais para alavancar o fabrico de rações para aves rústicas.Outro desafio é produzir na estação húmido quantidades de massango e massambala que sirvam para o apoio às províncias do Sul que têm estes cereais como base da alimentação e que sofrem com a ausência de chuva.
O responsável explicou que as províncias da Huíla, Cunene e Benguela enfrentam períodos de seca com frequência, pelo que a produção daqueles cereais tem baixado significativamente durante a estiagem. Por isso, o IDA pretende que o Norte compense a escassez de produção. David Tunga referiu que o Ministério da Agricultura pretende também reforçar a produção de soja e milho em todo país, por serem elementos fundamentais na reprodução de animais, principalmente nos bovinos e aves.
“Vamos trabalhar para aumentar a produção de soja e do milho para que as indústrias vocacionadas para a produção de rações tenham a matéria-prima e que possam assegurar a criação de aves, gado bovino, caprino e suíno”, sustentou.
O sector da agricultura prevê colher, até ao final do ano, mais de três milhões de toneladas de cerais diversos e 13 milhões de toneladas de tubérculos (mandioca, batata-doce e rena), como resultado da primeira fase da campanha agrícola 2016-2017,em quatro milhões de hectares.
David Tunga disse que vão  ser colhidas quantidades não especificadas de milho, feijão, massambala, massango e de feijão, numa campanha que envolve um milhão e 800 mil famílias camponesas ligadas a associações e cooperativas agrícolas.
 “As chuvas estão a cair com normalidade em algumas regiões do país, por isso, esperamos que a colheita seja satisfatória, uma vez que os camponeses aumentaram a produção em relação a época passada”, disse.

Tempo

Multimédia