Economia

Novo representante começa missão hoje

O representante residente do Fundo Monetário Internacional (FMI), que conduziu as negociações para o Programa de Financiamento Ampliado (EFF, sigla inglesa), Max Alier, foi substituído pelo ítalo-brasileiro Marcos Rietti Souto, que inicia hoje a sua missão em Angola.

Marcos Rietti Souto novo chefe da delegação do FMI em Angola
Fotografia: DR


A missão do FMI em An-gola apresentou, em informação enviada ao Jornal de Angola, Marcos Rietti Souto como se tendo juntado à instituição em 2004, depois de ter obtido uma licenciatura e um mestrado em Engenharia por uma universidade católica e o Instituto Militar de Engenharia, no Brasil, além de um doutoramento pela Universidade George Washington, dos Estados Unidos da América.
O italo-brasileiro foi representante residente em Portugal, de 2011 a 2014, tendo integrado equipas do FMI em missão a economias emergentes como a Argentina, México, Colômbia e Brasil, de acordo com informação obtida por este jornal.
Max Alier, que terminou a sua missão na sexta-feira, negociou o EFF com as autoridades angolanas, o que culminou com a aprovação de um financiamento de 3,7 mil milhões de dólares a Angola em Dezembro de 2018, quando tanbém integrou os esforços para trazer a Angola a directora-geral do FMI, Christine Lagarde.
O cronograma prevê um desembolso inicial de mil milhões de dólares, e outros baseados nas revisões semestrais do programa, sendo duas de 250 milhões e quatro subsequentes de 560 milhões.
Formado pela Universidade Católica do Chile e a Universidade da Califórnia, Max Alier foi representante residente no Brasil (2004-8) e na Ucrânia (2009-13), bem como chefe de missão para Trinidad e Tobago (2006-8), Moldávia (2013-15) e Cabo Verde (2017-18).

Tempo

Multimédia