Economia

Nzeto quer rampa na ponte-cais local

Pescadores artesanais do município do Nzeto, província do Zaire, queixam-se de insegurança na ponte-cais de apoio à actividade piscatória, construída na costa marítima local, por carecer de uma rampa de facilitação às operações das embarcações.

Pescadores clamam por melhores condições de segurança
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

A ponte-cais, construída na circunscrição pelo Ministério das Pescas, a 21 de Março deste ano, visa facilitar a descarga do pescado pelos armadores artesanais. De acordo com o presidente da Associação dos Pescadores Artesanais do Nzeto, Simão Ambrósio, que falava à Angop, os três metros de saída em maré são insuficientes para garantir segurança nas operações, pois, adiantou, a ponte cais tem sido frequentemente inundada pelas ondas do mar.
Essa infra-estrutura, que tem 150 metros de cumprimento, foi construída com material rudimentar, como eucaliptos, vigas e estacas de madeira preciosa, mas o responsável da associação afirma que algumas destas vigas de sustentação foram já destruídas pelas águas. O pescador Fernando Manuel disse que nenhum dos seus colegas quer arriscar a sua embarcação na ponte, pelas razões enumeradas, tendo solicitado à autoridade competente solução para a situação. Conforme explicou, o Estado gastou muito dinheiro para facilitar a vida dos pescadores locais, pelo que, a infra-estrutura deve estar a altura dessa intenção.
A ponte-cais do Nzeto tem quatro metros de largura e  capacidade para suportar três toneladas. A costa marítima do Nzeto é rica em diversas espécies de peixes, com realce para mariscos. A pesca artesanal constitui a principal actividade da população. Situado a 230 quilómetros da cidade de Mbanza Congo, o município do Nzeto banhado pelo oceano atlântico é potencialmente piscatório, sendo o marisco, cachucho, garoupa, corvina, bagre, tubarão, carapau, sardinha, linguado, dourado, pungo e peixe pargo, as principais espécies capturadas.

Tempo

Multimédia