Economia

OIT termina laços com a indústria tabaqueira

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) anunciou que vai romper os laços com a indústria tabaqueira, de quem recebe financiamento através de dois programas para lutar contra o trabalho infantil no cultivo de tabaco.

Crianças exploradas no tabaco ficam novamente vulneráveis
Fotografia: Ted Aljibe | AFP

O órgão executivo da OIT “decide que (...) não aceita mais financiamento da indústria do tabaco e que as alianças de colaboração público-privada existentes com a indústria tabaqueira não serão renovadas, depois de vencerem (em 2018)”, assinalou a organização num documento adoptado no final de uma reunião.
A cooperação entre a OIT e a indústria do tabaco envolve dois programas com um financiamento de 15 milhões de dólares da parte do sector, de acordo com fontes da organização.
Em concreto, a OIT mantém actualmente acordos com a “Japan Tobacco International (JTI)” e com “Eliminating Child Labour in Tobacco-growing Foundation” (financiada por tabaqueiras) que expiram em Junho e em Dezembro de 2018, respectivamente.
Na decisão adoptada no passado dia 9 de Novembro, após vários adiamentos e um complicado debate, devido à dificuldade de encontrar consenso, o conselho da OIT pediu ao director-geral, Guy Ryder, que tente conseguir financiamento de outra forma.
Mais de 150 organizações de saúde e de luta contra o tabaco tinham escrito aos membros do Conselho de Administração desta agência da ONU, sublinhando que a Organização Internacional do Trabalho se arriscava a “manchar a sua reputação e a eficácia do seu trabalho”, se não pusesse fim às relações com a indústria do tabaco, criticada igualmente por trabalho infantil.
A Organização Internacional do Trabalho tinha explicado até agora as suas ligações com os produtores de tabaco, alegando que isso ajudava a melhorar as condições de trabalho de cerca de 60 milhões de pessoas que trabalham no sector.

Tempo

Multimédia