Economia

OPEP determina esta semana corte na produção

A reunião extraordinária para abordar um possível corte da produção petrolífera da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e de seus aliados, como a Rússia, prevista para esta segunda-feira, foi adiada para a próxima quinta-feira (9), informou o Ministério da Energia do Azerbaijão, sábado.

Crise económica mundial causada pelo novo coronavírus obriga OPEP a reduzir a produção
Fotografia: DR

“A OPEP informou-nos sobre o adiamento. Desconhecemos as razões”, disse à Agência France Press a porta-voz do Ministério, Zamina Aliyeva, referindo-se ao encontro que deve acontecer por videoconferência por causa do avanço da pandemia do novo coronavírus - a Covid-19.
Sexta-feira o Presidente Vladimir Putin disse que a Rússia está pronta para cooperar com os Estados Unidos e a Arábia Saudita para reduzir a produção de petróleo. “Estamos prontos para chegar a um acordo com os nossos parceiros, sob o mecanismo da OPEP+”, disse Putin, de acordo com uma transcrição das suas palavras publicadas pelo Kremlin, refere a France Press.
A OPEP tem acordos com outros produtores, principalmente com a Rússia, um mecanismo conhecido como OPEP+.
“É necessário unir esforços para equilibrar o mercado e reduzir a produção” de petróleo, ressaltou Putin.
“Segundo estimativas preliminares, creio que é possível que se trate de uma redução de 10 milhões de barris diários”, afirmou durante uma reunião com o ministro russo da Energia, Alexander Novak.
Sexta-feira também a OPEP confirmou que vai reunir-se com os parceiros. A notícia surgiu na sequência do anúncio, pelo Presidente americano, Donald Trump, de possíveis cortes na produção por parte dos sauditas e dos russos, o que provocou uma subida no preço do petróleo.
O mercado de petróleo continua a estar pressionado pela pequena demanda por causa das restrições impostas ao transporte de pessoas e mercadorias em todo o mundo como forma de frear a propagação da pandemia da Covid-19. Ao mesmo tempo, a oferta continua altíssima, num contexto de guerra de preços entre Riade e Moscovo.
Ontem a Rússia alertou para o impacto de uma crise económica a nível global, pedindo ao mundo que se prepare para as consequências causadas pela pandemia da Covid-19 e pela queda dos preços do petróleo.
“Estamos conscientes de que a crise económica mundial, causada, entre outras coisas, pelo novo coronavírus, se manifestará e devemos estar preparados”, disse à televisão pública o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov.
Peskov sublinhou que esta crise exigirá “coordenação” de políticas e medidas anti-crise envolvendo “muitos países” e apontou que a medida anunciada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, de prolongar as férias pagas até ao final do mês, com vista a conter a pandemia, representa um “grande fardo” para a economia nacional.
Outro aspecto referido por Peskov no que diz respeito à crise económica que diz adivinhar-se, é a queda dos preços do petróleo causada por uma guerra de preços desencadeada pela Arábia Saudita.

Tempo

Multimédia