Economia

País exporta algodão para Portugal

A fábrica de tecidos de Benguela, Alassola, exportou entre Outubro de 2017 e 12 de Maio deste ano, 454 toneladas de fios de algodão para Portugal, no quadro da internacionalização do negócio.

A fábrica funciona em regime experimental
Fotografia: Nilo Mateus | Edições Novembro

A informação foi divulgada ontem pelo director industrial da fábrica, Hioshi Yamamoto, salientando que a última remessa, um total de 154 toneladas, seguiu para Portugal em dez contentores na primeira quinzena de Maio, a partir do Porto do Lobito.  
A Alassola foi reabilitada recentemente, num investimento que custou ao Estado 450 milhões de dólares norte-americanos, mas, segundo Hioshi Yamamoto, precisa de um financiamento adicional de 60 milhões de dólares para a aquisição de matéria-prima, nomeadamente  algodão, corantes, produtos químicos como a tintura e outros secundários.
A fábrica emprega 175 trabalhadores, incluindo cinco expatriados. Por falta de matéria-prima, funciona “a meio gás”, mas esforços estão a ser desenvolvidos no sentido de, ainda este ano, arrancar com a chamadas fases III e IV, que vão permitir a produção de tecidos, tingimento e colocação de amaciantes, bem como a finalização do produto, informou Hioshi Yamamoto. 
Os produtos exportados foram todos canalizadas à Umbini, em Portugal, cujas vendas terão resultado em pouco mais de 700 mil dólares.
Quando atingir o pleno funcionamento, a Alassola vai precisar de 1.200 trabalhadores e mais de 11 mil toneladas de algodão por ano para produzir peças de lar, toalhas de rosto, cobertores, bordados e lençóis.
A Alassola é uma empresa de direito angolano, que opera na província de Benguela, e resulta da reabilitação da extinta África Têxtil paralisada em 1998.
Os fios de algodão que exporta actualmente constituem um produto intermédio, testado em termos de qualidade, tendo sido aprovado por indústrias internacionalmente reconhecidas, como a Zara Home e El Corte Inglês.

Tempo

Multimédia