Economia

Pescas lança projecto para produzir spirulina

Marcelo Manuel | Massangano

A melhoria do estado nutricional de pessoas afectadas pela seca no Sul de Angola, bem como a arrecadação de receitas para os cofres do Estado são os primeiros benefícios do projecto-piloto de apoio às fileiras da spirulina, localizado no município de  Cambambe, província do Cuanza-Norte.

Ministra das Pescas e do Mar visitou projecto-piloto
Fotografia: Marcelo Manuel | Edições Novembro | Massangano

Criado pelo Ministério das Pecas e com um financiamento de 350 mil dólares do Fundo das Nações Unidas para Alimentação e  a Agricultura  (FAO), o projecto de criação de microalgas,  desenvolvido no centro de larvicultura do Mucoso, em três tanques, já produziu, em menos de um ano, na localidade de Massangano, 1.200 quilos de spirulina. Os resultados da primeira produção foram apresentados ontem num acto testemunhado pela ministra das Pescas, Victória de Barros Neto, e pelo representante da FAO em Ango-la, Mamadou Diallo. Por cada 100 gramas vendidas, o Estado vai poder arrecadar 15 euros.
O projecto garante  dez empregos directos a dez jovens que trabalham à base de uma tecnologia artesanal, cuja experiência técnica foi granjeada através de uma parceria de formação entre Angola e o Burkina Faso.
A ministra das Pescas, Victoria de Barros Neto, frisou,  durante uma visita de trabalho ao centro de larvicida do Mucoso, que a criação do referido projecto visa demonstrar aos investidores como se avançou com projectos de criação e produção de spirulina. Os primeiros resultados são animadores, afirmou a ministra, embora tenha admitido que a actual produção ainda é de pequena di-mensão. O Ministério das Pescas, disse, vai, a partir de agora, incentivar o sector privado a investir na produção de spirulina.

Vantagens da spirulina
A ministra das Pecas revelou que o consumo de spirulina traz múltiplas van-
tagens ao sistema imunológico dos seres humanos, principalmente para doentes de VIH/Sida, diabéticos e idosos, além de estimular o intelecto das crianças.
Victória de Barros Neto manifestou o desejo da criação de uma parceria com os ministérios da Educação e Saúde, visando a adição da spirulina na merenda escolar e reforço da situação física dos doentes.
O projecto da comuna de Massangano, disse, abre de igual modo a possibilidade de aumentar o rendimento das famílias mais vulneráveis, caso adiram aos projectos de produção e comercialização, atendendo ao seu fácil tratamento e manuseio.
Em função da elevada procura da spirulina no mercado internacional, a ministra disse ser pretensão do Executivo criar condições para a sua exportação, visto que a spirulina produzida em Angola consta entre as melhores de África, facto provado pelo laboratório do CREAN-NA, em Roma, Itália.
O programa, segundo Victória de Barros Neto, pode ser alargado em várias dimensões, devendo, para tal, o Governo contar com a aposta dos sectores privados. Informou que o Ministério das Pescas trabalha com o Governo do Cuanza-Norte no sentido de criar grupos de interesse, através da inserção de mulheres e jovens na produção das referidas al-gas, a par dos investidores de grande nível.

Tempo

Multimédia