Economia

Polícia Fiscal apreende mais de 350 mil dólares

Jaquelino Figueiredo | Soyo

A Esquadra da Polícia Fiscal do Soyo apreendeu 351 100 dólares e 84 200 euros por infracção cambial, detendo, em resultado dessa ocorrência, um cidadão da República Democrática do Congo (RDC) que na tarde de quarta-feira se aprestava a transportar o dinheiro do Posto Fiscal do Kimbumba para Boma, no lado congolês.

Aperfeiçoamento técnico tornou possível apreensão
Fotografia: Edições Novembro

O comandante da Esquadra da Polícia Fiscal do Soyo, Manuel Calhão, que forneceu estas informações à imprensa, adiantou que o dinheiro estava a ser levado a bordo de uma embarcação, encoberto num bidão amarelo de 20 litros e acondicionadeo em sete volumes embalado com recurso à fita-cola. 

“O dinheiro estava embalado em sete volumes e escondido dentro de um bidão de 20 litros mas, com a atenção redobrada dos efectivos da Polícia Fiscal e outros órgãos do Ministério do Interior no Porto tradicional do Kimbumba, surpreendemos a embarcação quando se aprontava para seguir para a região do Boma”, explicou o comandante.
Manuel Calhão insistiu em que a apreensão só foi possível graças à táctica operacional que a Polícia usa para desvendar situações do género no exercício das suas actividades, revelando que o cidadão detido em consequência da apreensão, o tripulante, negou qualquer responsabilidade ou envolvimento no caso, alegando desconhecer o proprietário e como o bidão foi parar na sua embarcação, a bordo da qual havia três passageiros.
O dinheiro foi apreendido por não ter sido declarado, violando o artigo 19º da Lei nº 5/97, combinado com o aviso nº 1 do Banco Nacional de Angola (BNA), que estabelece que os cidadãos nacionais residentes podem viajar para o exterior com valores monetários de até 10 mil dólares e 50 mil kwanzas em moeda nacional.
O comandante da Esquadra Fiscal do Soyo assegurou que os órgãos da Polícia Nacional vão continuar a trabalhar no sentido de esclarecer a origem do dinheiro e que o detido vai ser presente ao Ministério Público, tal como os valores apreendidos foram depositados numa conta do Banco Nacional de Angola na dependência do Soyo do Banco de Poupança e Crédito (BPC).

Tempo

Multimédia