Economia

Preço do petróleo atinge máximos de seis meses

O preço do barril de petróleo Brent para entrega em Junho operou ontem acima dos 74 dólares, um novo máximo anual, de acordo com dados do mercado de Londres que indicam que, na abertura, o crude estava cotado a 74,20 dólares, mais 3,0 por cento que no final da sessão anterior, na quinta-feira.

Preço do petróleo impulsionado por sanções contra o Irão
Fotografia: DR

 Esta nova subida coloca o Brent, petróleo de referência das exportações angolanas, num nível máximo desde Novembro de 2018, quando estava cotado a 49,93 dólares e desde então subiu 25 dólares, cerca de 50 por cento.
São vários os factores que explicam esta tendência para a alta, mas a subida de ontem deveu-se fundamentalmente à quase certeza de que o Governo dos Estados Unidos vai anunciar o fim das isenções de sanções para os países que importem petróleo bruto do Irão a partir de 2 de Maio, segundo os media norte-americanos.
Os Estados Unidos voltaram a impor sanções contra a exportação de petróleo e o sector financeiro do Irão para pressionar Teerão a reduzir o programa nuclear e de mísseis. A cotação do petróleo é habitualmente muito sensível ao aumento de incertezas políticas nos países exportadores do Médio Oriente.
Há dois anos o barril de Brent chegou a cotar-se a cerca de 30 dólares e em Julho passado mantinha-se abaixo dos 50 dólares.
Os preços do petróleo mantêm assim a tendência de ganhos registada desde o início do ano, com o West Texas In-termediate (WTI) a acumular uma subida de cerca de 45 por cento em 2019 e o Brent mais de 37. A contribuir para esta evolução tem estado o corte de produção por parte dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), bem como as sanções impostas pelos EUA ao Irão e à Venezuela.

Tempo

Multimédia