Economia

Sonangol compra participação accionista brasileira na Unitel

A Sonangol confirmou ontem, em comunicado enviado ao Jornal de Angola, a compra integral, por 939 milhões de dólares, do capital da PT Ventures SGPS, uma empresa detida pela brasileira Oi que titulava uma participação de 25 por cento na Unitel, com o que fica com metade do capital da companhia angolana de telecomunicações.

Operação resolve diferendo accionista prevalecente na Unitel
Fotografia: Cedida


A petrolífera declara que a aquisição envolveu o pagamento de 699 milhões de dólares (um montante que, de acordo com a imprensa brasileira, foi pago ainda ontem), adicionados de um pagamento deferido de 240 milhões de dólares.
A PT Ventures tem participações em duas empresas de direito angolano, nomeadamente, 40 por cento da Multitel - Serviços de Telecomunicações Lda e 25 por cento da Unitel S.A.
A Sonangol declarou que a aquisição permite a estabilização das actividades da Multitel e da Unitel, considerando a importância estratégica desta última para Angola, onde figura como a maior operadora de redes móveis, com uma quota de mercado de cerca de 80 por cento, sendo, ao mesmo tempo, um dos maiores empregadores privados do país.
O documento lembra que, nos últimos anos, a Unitel viu-se envolvida numa disputa accionista que impedia o desenvolvimento da em-presa, conduzindo à deterioração financeira caso não fossem criadas as condições para alcançar um consenso.
A companhia declarou que, com a aquisição, “espera reunir condições para que a gestão da Unitel possa aprovar o plano de negócios da empresa, realizar os investimentos necessários e assegurar a estabilidade e a preservação dos postos de trabalho”.
O investimento, considera, é “bastante atractivo”, porquanto a PT Ventures, além do valor de mercado, tem di-reito a 1.100 milhões de dó-lares de dividendos, bem como a indemnizações decorrentes da decisão proferida por um Tribunal Arbitral contra os demais accionistas da Unitel no valor aproximado de 350 milhões de dólares”.
Uma fonte da petrolífera declarou ontem a este jornal, para explicar a transacção, que o único valor que a companhia desembolsa da própria tesouraria é o pagamento inicial de 699 milhões de dólares. O restante é pago de forma deferida , com base nos dividendos da PTV por auferir, com incidência para os referentes a 2018 e 2019.
Com a posição actual, a Sonangol pode nomear a maioria do Conselho de Administração, além de reunir condições para que um potencial desinvestimento, tal como previsto no programa de privatizações, seja efectuado em condições mais atractivas.

Tempo

Multimédia