Economia

Sonangol investiga retenção do navio-sonda

A Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) informou ontem que está a investigar a veracidade da retenção do navio-sonda "Quenguela", que terá sido retido pelas autoridades da Malásia, por alegadamente, ancorar sem autorização em águas territoriais daquele país asiático.

Sonangol reage à retenção do navio-sonda Quenguela
Fotografia: F.Bernardo | Edições Novembro| arquivo

Segundo nota da petrolífera angolana, a companhia mantém-se expectante por uma comunicação das entidades oficiais ou das autoridades Malaias e admite ter conhecimento da informação. O navio-sonda "Sonangol Quenguela", refere a nota, é operado pela Sonadrill, uma joint-venture estabelecida entre a petrolífera angolana e a empresa Seadrill, sendo gerido por esta e que o mesmo se encontra em fase de mobilização, desde o estaleiro em Okpo, Coreia do Sul, até à sua entrada em águas territoriais angolanas.

Tal trabalho de mobilização, prossegue o documento, será feito tão logo for reunida toda a documentação de registo e operacional necessária para este tipo de embarcação e possuindo uma tripulação qualificada, de acordo com os padrões internacionais. O Conselho de Administração da Sonangol garante que, tão logo esteja em posse de dados mais substanciais, fará o pronunciamento que se impõe.

 

 

Tempo

Multimédia