Economia

Taxa de inflação de Julho acelerou em todo o país

A inflação acelerou para 1,69 por cento em Julho, acima da taxa do mês anterior de 1,52, anunciou o Instituto Nacional de Estatística (INE), numa nota de imprensa consultada ontem pelo Jornal de Angola.

Preços nos supermercados do país influenciaram o curso da inflação durante o mês de Julho
Fotografia: Contreiras Pipa | Edições Novembro

O documento afirma que o maior aumento dos preços foi em Benguela com 2,15 por cento, Zaire (2,10), Cunene (2,06), Lunda Norte (1,99) e Moxico (1,96) e o menor na Huíla com 1,16 por cento, Huambo e Bié (1,20), Cabinda (1,30) e Bengo (1,60).
A classe “Bens e serviços diversos” com 3,08 por cento foi a que registou o maior aumento de preços, destacando-se também o verificado nas classes “Mobiliário, equipamento doméstico e manutenção” com 2,83, “Vestuário e calçado” com 2,74 e “Bebidas alcoólicas e tabaco” com 2,24.
O INE declarou uma queda homóloga da taxa de inflação, que ficou situada em 27,29 por cento em Julho, menos 6,43 pontos percentuais que a observada no mesmo mês do ano passado.
Os dados acrescentam que, no mês passado, a classe “Alimentação e bebidas não alcoólicas” foi a que mais contribuiu para o aumento do nível geral de preços, com 0,80 pontos percentuais, seguida das classes “Bens e serviços diversos” com 0,20, “Mobiliário, equipamento doméstico e manutenção” com 0,19 e “Vestuário e calçado” com 0,18.

Luanda e Benguela


O Índice de Preços no Consumidor (IPC), que mede a inflação em Luanda, avançou para 1,77 em Julho, mais que os 1,58 pontos percentuais de Junho, de acordo com os números do INE.
A taxa de inflação de Luanda foi influenciada pelo aumento verificado na classe “Mobiliário, equipamento doméstico e manutenção” com 3,07 por cento, “Bens e serviços diversos” com 2,84, “Vestuário e calçado” com 2,61 e “ Bebidas alcoólicas e tabaco” com 2,10.
A variação homóloga situou-se em 29,01 por cento, registando um decréscimo de 6,29 pontos percentuais em relação à observada em igual período do ano anterior.
O INE afirma que o IPC de Benguela, o mais elevado de Angola durante o mês de Julho, cresceu em 2,15 por cento, influenciado pela evolução na classe “Bebidas alcoólicas e tabaco” com 4,54 por cento.
Destacou-se também o aumento dos preços verificado nas classes “Bens e serviços diversos” com 3,94 por cento, “Vestuário e calçado” com 3,30 e “Saúde” com 3,19.
A classe “Alimentação e bebidas não alcoólicas” foi a que mais contribuiu para o aumento do nível geral de preços, com 0,82 pontos percentuais, seguida das de “Vestuário e calçado” com 0,30, “Mobiliário, equipamento doméstico e manutenção” com 0,25 e “Transportes” e “Bens e Serviços Diversos” com 0,18.
Na Huíla, a província em que a taxa de inflação menos subiu, o IPC abrandou para 1,16 por cento.
A classe “Bebidas alcoólicas e tabaco” foi a que registou o maior aumento de preços com 3,15 por cento, seguida das classes “Bens e serviços diversos” com 2,17, “Vestuário e calçado” com 2,04 e “Lazer, recreação e cultura” com 2,00.
A classe “Alimentação e bebidas não alcoólicas” foi a que mais contribuiu para o aumento do nível geral de preços, com 0,74 pontos percentuais durante o mês de Julho, seguida das classes “Saúde” com 0,08, “Vestuário e calçado” e “Mobiliário, equipamento doméstico e manutenção” com 0,07, “Transportes” e “Bens e serviços diversos” com 0,05.
Em Junho, a taxa de inflação mensal abrandou para 1,52 por cento e a de 12 meses para 30,5 por cento, a quinta quebra consecutiva, de acordo com dados publicados pelo INE.
O relatório do INE sobre o comportamento da inflação do mês de Junho afirma que os preços avançaram 1,60 por cento em Maio, 1,80 por cento em Abril e 1,91 por cento em Março, uma tendência invertida durante o mês de Julho.

Tempo

Multimédia