Economia

Terrenos infraestruturados na centralidade do Kilamba são entregues em Outubro

Natacha Roberto

Os terrenos infraestruturados para a construção de habitações e outros serviços na Centralidade do Kilamba começam a ser entregues em Outubro.

Momento em que decorria o sorteio para a atribuição de terrenos na Centralidade do Kilamba
Fotografia: Alberto Pedro | Edições Novembro

De acordo com o presidente do Conselho de Administração da Empresa Gestora de Terrenos Infraestruturados (EGTI), Pedro Cristóvão, os candidatos apurados podem, desde ontem, aceder às listas já publicadas no portal da instituição e a posterior no Jornal de Angola. Pedro Cristóvão adiantou que os lotes pequenos com dimensão de 15 por 25 metros ou 375 metros quadrados de área vão ser comercializados a seis mi-lhões de kwanzas.

Para o pagamento dos terrenos, os sorteados têm um período de carência que varia entre os três a 12 meses. As prestações mensais variam entre seis meses a cinco anos. “Os candidatos devem consultar o portal da nossa instituição e aguardar pelas notificações que serão enviadas por e-mail e mensagem telefónica. O pagamento será realizado em prestações, em função da tipologia escolhida”, disse o responsável. Pedro Cristóvão explicou, também, como são calculados os preços do terreno, sendo a área bruta de construção, tipologia do projecto e o número de pisos os critérios usados. Na assinatura do contrato, um pagamento de 20 por cento do valor total serve como entrada.
Em caso de incapacidade financeira do candidato sorteado, a substituição é por ordem de sorteio. O secretário de Estado do Ordenamento do Território e Habitação, Manuel Pimentel, considerou o processo transparente, sublinhando que a procura superou a disponibilidade de lotes infra-estruturados.
“Mais uma etapa foi cumprida. Felicitamos os sorteados e os que estão fora da lista esperem outras oportunidades”, encorajou.
Manuel Pimentel informou que está a ser desenvolvido um trabalho com as administrações municipais com vista a melhorar a atribuição de lotes de terrenos infra-estruturados à população”, disse.
O secretário de Estado informou que enquanto existir um grande número de candidatos para aquisição de habitações que não respondam à demanda serão realizados sorteios. Foram sorteados 560 lotes. Deste número, 468 estão destinados a habitações unifamiliares, 61 multifamiliares, sete para ensino, cinco para saúde, oito para o comércio e 11 para cultura.
Ao todo, concorreram ao sorteio 54.986 candidatos, dos quais 41.265 para habitação unifamiliar (vi-vendas), 6.628 para multifamiliar (edifícios de até 5 pisos) e 925 para construção de infra-estruturas de cultura e lazer. Aos terrenos disponíveis para actividade comercial concorreram 5.251 candidatos, sendo que para construção de estabelecimentos de ensino estão reservados 566 e outros 351 para serviços de saúde (clínicas e farmácias).
O sorteio, transmitido em directo pela Televisão Pública de Angola (TPA), contou com as presenças de coordenadores do Instituto de Supervisão de Jo-gos e do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (INADEC), que supervisionaram todo o processo.

Tempo

Multimédia