Economia

Trocas comerciais registam aumento

O ano que começa deve ser marcado pelo sétimo Fórum para a Cooperação China-África (FOCAC), previsto para Pequim, com a presença esperada dos principais líderes africanos.

Fotografia: Jaimagens | Edições Novembro

O ano de 2017 foi marcado por uma recuperação das trocas comerciais entre a China e os países lusófonos, envolvendo novos projectos empresariais e um reforço do papel de Macau na cooperação sino-lusófona, através de novos instrumentos.
A iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota” e o estabelecimento na Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) do Fundo para a Cooperação entre a China e os países lusófonos renovou o interesse dos agentes económicos na plataforma de Macau, como foi patente no Encontro de Empresários para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, que teve lugar a 16 e 17 de Junho na Cidade da Praia, Cabo Verde.
Aberto pelo primeiro-mi­nistro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, e com um total de perto de 500 participantes, o encontro, promovido pelo Instituto de Promoção do Comércio e Investimento de Macau (IPIM), contou com a presença da directora-geral da empresa de gestão do Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa, Jin Guangze, que salientou que a instituição financeira vai beneficiar da sua transferência para a “plataforma” de Macau.
Cabo Verde mostra-se particularmente interessado em captar projectos ligados à Nova Rota da Seda, e tem já projectada a futura Zona Económica Especial de São Vi­cente, a primeira estrutura do género criada com apoio da China nos países lusófonos, a ser erguida dentro de três anos.
A contar com o apoio da China está também, desde início de 2017, São Tomé e Príncipe, em particular para modernização das infra-estruturas de transportes, tendo em vista atrair empresas chinesas para uma plataforma logística, capaz de distribuir produtos para a região do Golfo da Guiné.
Com o investimento chinês em Portugal a atingir a marca de nove mil milhões de euros recentemente, as autoridades portuguesas mostram-se agora interessadas em captar iniciativas ligadas à “Nova Rota da Seda para o Porto de Sines”, objectivo de uma missão à China, no final do ano, da ministra portuguesa do Mar.
Ao nível comercial, 2017 foi um ano de recuperação, tendo as trocas entre a China e os países de língua portuguesa crescido 29,36 por cento até Setembro.

Tempo

Multimédia