Economia

Turismo mundial em debate na capital angolana

Ismael Botelho e Xavier António

Depois do Fórum Mundial do Turismo (WTF, sigla inglesa) que se realiza de hoje até sábado, em Luanda, as conversações entre Angola e as grandes cadeias hoteleiras e operadores globais do sector passam a ser mais intensas, declarou terça-feira a titular do pelouro, secundada pelo presidente da organização, que anunciou a previsão de apoios de mil milhões de dólares em cinco anos.

Quedas de Kalandula em Malanje entre as mais belas atracções turísticas de Angola
Fotografia: Edições Novembro

Ângela Bragança e Bulut Bagci deram uma conferência de imprensa para apresentar dados da preparação da reunião, onde a ministra considerou a produção de dados estatísticos como questão crucial da estratégia angolana de negociação com os principais operadores globais da hotelaria e turismo.
De acordo com a ministra do Turismo, no diálogo que estabelecer, Angola tem de ter informações precisas sobre o sector, sabendo, inclusive, “que tipo de turistas entra e que turismo temos no país”, para ajudar os gestores a tomarem decisões correctas de investimento.
Bulut Bagci, que se encontra em Luanda para presidir à reunião, afirmou à margem da conferência de imprensa que o valor preconizado para ser empregue em Angola é, em princípio, de mil milhões de dólares em cinco anos. Esse valor, acrescentou o director para região de África do WTF, Danilo Nhantumbo, não vai ser aplicado em meses ou em um ano: “É um montante de longo prazo, com uma duração de cinco anos, em função do resultado dos investimentos e financiamentos. Este é um momento de construção de confiança”, declarou.
Até porque, prosseguiu o presidente do WTF, muitas barreiras ao investimento estão praticamente removidas em Angola, pelo que o órgão que dirige pode servir de conexão entre o Estado angolano e as grandes cadeias mundiais de hotéis.
Bulut Bagci anunciou a construção de um hotel de cinco estrelas, um Shopping Center e vários campos de golfe no Pólo de Desenvolvimento Turístico do Cabo Ledo, nos próximos anos. “Vamos trazer seguramente as grandes cadeias do mundo, que pretendem investir em Angola”, garantiu.
O encontro envolve vários órgãos institucionais angolanos, entre os quais os ministérios da Cultura, Transportes, Ambiente, Finanças, Interior e outros, sob coordenação do ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social, Manuel Nunes Júnior.
A expectativa do ministro de Estado, foi dito na conferência de imprensa, é a promoção do turismo como uma das melhores variáveis da diversificação da economia nos próximos anos. “A aposta deve estar voltada para o turismo económico, para a criação de mais postos de trabalho, de acordo com indicações dadas por Ângela Bragança. Outro desafio de Angola é o desenvolvimento de “um intenso trabalho de marketing” para colocar Angola na “montra” mundial para atrair os grandes investidores e sensibilizar os grandes operadores do turismo mundial para apostarem em Angola.
A meta é elevar, nos próximos anos, a quota de participação do sector do Turismo na formação do Produto Interno Bruto (PIB), dos actuais 3,5 por cento para valores acima dos 30 por cento, uma média situada a nível da região da África Austral e próxima de países como África do Sul, Botswana, Namíbia e Zimbabwe.

 Leilão de diamantes

Ângela Bragança aproveitou o encontro com os jornalistas para anunciar um leilão de diamantes em parceria com a Sodiam, subsidiária comercial da Endiama, que vai pôr à disposição dos participantes algumas pedras para comercialização.
O objectivo é estimular também o turismo de luxo, onde as pedras preciosas jogam um papel importante. “Esta é uma área que se pretende enraizar nos próximos anos para atrair mais visitantes ao nosso país”, frisou.
O turismo interno, que na opinião da ministra ajuda a gerar mais postos de trabalho que qualquer outro sector da economia, é outra aposta estratégica, mas Ângela Bragança considera ser preciso rever a política de preços dos hotéis e outros serviços agregados.
“Os preços dos hotéis devem baixar em função da competitividade”, referiu a ministra do Turismo.

Meios de pagamento
A operação de meios de pagamento por cartão (Visa, Mastercard, American Express e outros) é um assunto que mereceu da titular do Turismo um pronunciamento veemente, garantindo que tudo está a ser feito para que as dificuldades verificadas na rede de pagamentos electrónicos sejam ultrapassadas nos próximos tempos. “Aconteceu recentemente, na Ilha de Luanda, uma situação com um turista que gastou o seu dinheiro em kwanzas num espaço e não pode, por exemplo, usar o seu cartão Visa. É preciso melhorar essas questões: se esses cartões funcionam noutros países, devem funcionar aqui também”, lamentou a ministra do Turismo.

Programa Luanda Tur

Ângela Bragança anunciou que, dentro de alguns dias, inicia o programa LuandaTur, uma digressão que vai levar turistas à Ilha do Mussulo e ao Pólo de Desenvolvimento Turístico de Cabo Ledo para conhecerem a realidade local e as potencialidades dessas regiões. Nessas deslocações e visitas, estão ainda agendadas viagens às províncias do Namibe, Benguela, Malanje e Cuanza-Sul. “As maiores cadeias turísticas do mundo estarão presentes no Fórum. Vamos conhecer um pouco dos outros, como eles nos vêem e como querem trabalhar connosco. Isso é importante”, revelou.
Ângela Bragança anunciou também a privatização de unidades hoteleiras que ainda pertencem ao Estado, referindo que esta decisão pode ajudar o sector a atingir uma outra dinâmica e é uma medida que faz parte da estratégia pós-fórum.

Futuro do Turismo reúne especialistas em Luanda

A reunião do WTF, que se realiza a partir de hoje no Centro de Convenções de Talatona, em Luanda, junta os principais tomadores de decisão na indústria do turismo mundial, membros do Executivo e os principais operadores do país.
O encontro, que termina no sábado, segundo a organização, será “uma base fundamental para a captação de investimento para a indústria turística em Angola, a fim de torná-la numa fonte de receitas para a economia nacional”, e tem como patrono e convidado de honra o Presidente da República, João Lourenço.
Entre os oradores estão já confirmadas as presenças da ministra do Turismo, Ângela Bragança, o presidente do WTF, Bulut Ba?c?, o ex-Presidente francês, François Hollande, e o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros da Grã-Bretanha Jack Straw.
Dados da organização, a que o Jornal de Angola teve acesso, indicam que durante o certame será anunciada a forma específica e as áreas prioritárias para o investimento em que serão aplicados os mil milhões de dólares que o Fórum prevê investir nos próximos cinco anos no país.
Em conferência de imprensa realizada em Luanda, a organização do Fórum garantiu que o investimento vai obedecer ao Plano de Desenvolvimento do Turismo Nacional, como parte integrante do Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2018/2022, tendo também como objectivo alavancar os sectores da construção, transportes e a criação de empregos.

Temas em discussão
Durante o encontro serão postos em debate vários temas, entre os quais “O Turismo em África”, “Turismo digital ou informatizado”, “O papel do Governo nas viagens de negócios”, “Porquê investir em Angola?”, “O segredo ou a História do sucesso dos destinos turísticos”, assim como uma sessão destinada aos principais oradores.
Segundo apurou o Jornal de Angola, Luanda será a segunda cidade africana a acolher o Fórum, depois de Accra, capital do Ghana. O Fórum Mundial do Turismo é uma organização global que realiza eventos turísticos em diferentes partes do mundo, a fim de impulsionar o turismo global.
Criado em 2014, o evento presta especial atenção à relação entre as tendências do turismo local e global, bem como estratégias para um crescimento do sector mais sustentável, assim como incentiva a alocação de recursos para uma visão compartilhada da actividade turística.

Tempo

Multimédia