Arquivo

Filtrar por Data

Asdrúbal Rebelo: “É vergonhoso quando não se faz referência ao autor das imagens”

Cineasta da primeira geração, Asdrúbal Rebelo serviu à televisão e ao cinema angolano. Passou pelo conhecido “Futuro da Nação”, que a ex-Televisão Popular de Angola produzia para crianças e, fruto da experiência ganha, começaram a brotar, a partir de 1976, os primeiros filmes: “Velhos tempos, Novos tempos”, “A luta continua”, “O balão” e “Filhos da rua”, já em 1980, que até hoje ficou encalhado devido à censura da época. Em entrevista ao Jornal de Angola, o realizador evoca a importância do arquivo audiovisual e critica a falta de ética quando se utilizam imagens sem se mencionar o autor das mesmas

ENSA não vai despedir trabalhadores após a privatização

Em entrevista exclusiva ao Jornal de Angola, o presidente do Conselho de Administração da ENSA, Carlos Duarte, falou sobre o processo de privatização, numa altura em que a empresa fechou o ano de 2019 com 9,9 mil milhões de kwanzas de prejuízo (cerca de 17 milhões de dólares). Carlos Duarte afirmou que não haverá despedimentos colectivos na ENSA, com a privatização de parte do capital da empresa. A administração espera negociar soluções que permitam enquadrar os trabalhadores excedentários em novas unidades de negócio. São cerca de 650 profissionais espalhados por todas as províncias.

José Cerqueira: “A saída da crise passa por encarar de frente a luta contra a inflação”

Foi um dos rostos do SEF - Saneamento Económico e Financeiro, um programa de reformas implementado ainda durante o regime de partido único, que no fundo preparou o país para a economia de mercado e para o fim da economia centralizada (praticamente sem iniciativa privada). Preocupado com os altos índices de pobreza e desemprego, sobretudo entre os mais jovens, defende que é preciso atacar as elevadas taxas de inflação, de juro e de câmbio. E apresenta uma solução concreta: mudar o regime cambial para eliminar o enclave do dólar no sector petrolífero.

Ernesto Muangala: “Queremos o desenvolvimento harmonioso para combater as desigualdades”

Governo da Lunda-Norte aposta na revitalização dos antigos perímetros agropecuários da Ex-Companhia de Diamantes de Angola Lunda-Norte é reconhecida pelo seu potencial diamantífero, mas o impacto da exploração na vida social e económica dos habitantes está longe do esperado. Por isso, as autoridades apostam em projectos fora do sector diamantífero como agricultura, pecuária e o turismo cultural. Em entrevista ao Jornal de Angola, o governador Ernesto Muangala afirmou que o maior desafio do seu governo, tem a ver com o desenvolvimento harmonioso com vista a reduzir as desigualdades sociais, formar quadros e criar infraestruturas para o crescimento económico da província

“O que tornará sustentável a integração monetária e económica é o compromisso político expresso pelas políticas orçamentárias”

O economista e sociólogo camaronês Martial Ze Belinga está, a par de outros pesquisadores, entre os que revelam as injustiças do franco CFA. Co-autor do livro “Sortir de la servitude monétaire. A qui profite le franc CFA ?”, o membro do comité científico da UNESCO para a História Geral de África revela, em entrevista ao Jornal de Angola, que o projecto que a França pretende fazer aprovar para a moeda regional da África Ocidental é diferente do ECO original. “Se ele nascesse, esse ECO-CFA, seria fixado ao euro, o que significaria que a política monetária permaneceria inalterada”, diz o investigador, que se dedica igualmente à economia da cultura. Em relação às críticas sobre as questões de disciplina monetária e financeira, revela que podem convergir depois, devido a regras e interacções comuns entre as economias dos países membros da CEDEAO.

Rui Carreira: “Novas aeronaves trazem equilíbrio à frota da TAAG”

A TAAG - Linhas Aéreas de Angola apresenta, na segunda-feira, um novo logótipo, com a chegada a Luanda da primeira das seis aeronaves do tipo Dash8-400, adquiridas à companhia canadiana “De Havilland of Canada Limited”. Com a diversificação da frota, a companhia tem em mira a redução dos custos operacionais e a extensão do acesso aos voos domésticos a pessoas de baixa renda.Em entrevista exclusiva ao Jornal de Angola, Rui Carreira, presidente da Comissão Executiva da empresa, fala do plano de reestruturação e das medidas adoptadas para a mitigação dos efeitos da pandemia, que incluem o encerramento de rotas deficitárias.

“Medidas eficazes de prevenção diminuiram a intensidade da transmissão e adiaram o pico da curva epidémica”

O coordenador residente do sistema das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli considera que as acções preventivas levadas a cabo pelos Governos africanos, para aumentar o distanciamento social, o cancelamento de voos para diminuir a disseminação do vírus, bem como os testes aos viajantes, a quarentena ou isolamento dos casos confirmados e os seus contactos directos, o uso obrigatório de máscaras em locais públicos, têm-se mostrado estratégias eficazes para diminuir a intensidade da transmissão e adiar o pico da curva epidémica do novo coronavírus na região, e em Angola, em particular. “Mas não podemos desleixar a atenção às medidas de controle pois haverá, após esta, uma fase mais acelerada de transmissão”, alertou

Tempo

Multimédia